Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Banco Mundial melhora previsão do PIB para América Latina e Caribe


29/03/2021 20:24 - atualizado 29/03/2021 20:25

O Banco Mundial (BM) melhorou nesta segunda-feira (29) sua previsão econômica para a América Latina e o Caribe em 2021, mas advertiu para o desafio fiscal e o risco de aprofundar as dificuldades que assolam a região, a "mais castigada do mundo" pela covid-19.

Em seu último relatório semestral, o organismo multilateral prevê para 2021 um crescimento regional de 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB), em leve alta com relação aos 4% estimados no fim do ano passado.

Além disso, estima a contração provocada pela pandemia em 6,7%, menos do que os 7,9% previstos meses atrás.

"Dado o crescimento lento que tínhamos, a queda que tivemos em 2020 apaga praticamente uma década em um ano. A boa notícia é que estamos nos recuperando mais rápido do que se previa", disse em coletiva de imprensa Martín Rama, economista-chefe do BM para a América Latina e o Caribe.

"É muito claro que a América Latina e o Caribe tem sido a região mais castigada do mundo pela pandemia em termos de quantidade de mortos e de perda da atividade econômica", destacou.

O relatório "Voltar a crescer" aponta os custos enormes da pandemia para a região, com aumento da pobreza e da taxa de desemprego, perda de capital humano e sobre-endividamento.

Rama disse que as baixas taxas de juros no mundo favoreceram a região, que no geral tiveram acesso aos mercados de capital e apelado fortemente aos organismos multilaterais para mitigar o impacto sanitário, social e econômico da pandemia.

Mas o elevado nível de endividamento público e privado poderia frear a recuperação.

"O tema fiscal será um tema central para toda a América Latina e o Caribe. Usar este tempo para escalonar nossas dívidas (...) é uma prioridade para todos os países", enfatizou Rama.

Também alertou para o risco de que um crescimento mais acelerado gere maiores brechas na região, que já é a mais desigual do mundo.

- Reestruturar o setor elétrico -

Para o BM, o futuro é marcado pela "incerteza", mas há sinais positivos.

Embora a queda do turismo tenha sido pronunciada, afetando fortemente os países caribenhos, o comércio internacional de bens se manteve e a maioria dos preços das matérias-primas são mais altos do que antes, uma situação que o relatório atribuiu à rápida recuperação da China e que beneficiaria os exportadores de produtos agropecuários e de mineração.

Também indicou que foi registrado um aumento das remessas, muito importantes para a América Central e o Caribe.

"Existem alguns motivos para o otimismo", disse Rama, ao destacar as "oportunidades" que surgem para a região.

"De repente há disrupções que nos permitem avançar em áreas onde antes, através de reformas de política econômica, não estávamos avançando muito. E uma área onde há uma transformação muito importante a caminho é a de energia", indicou.

A comoção provocada pela pandemia poderia abrir a porta a inovações no setor elétrico, crucial para o desenvolvimento, segundo o BM.

Rama disse que a região deveria ter a eletricidade mais barata do mundo e, no entanto, tem a mais cara, devido, essencialmente a "ineficiências" que, segundo o informe, se refletem em "apagões frequentes", "empresas públicas com excesso de pessoal" e "abusos do poder de mercado por parte dos geradores privados".

A geração de energia por residências e empresas por meio de painéis solares, por exemplo, e o comércio de energia entre países são duas opções com grande potencial, segundo Rama.

"A integração elétrica na América Latina é um caminho a percorrer", enfatizou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade