Publicidade

Estado de Minas GENEBRA

Quatro possíveis teorias sobre a origem da covid-19


29/03/2021 14:52

Um relatório sobre as origens da pandemia de covid-19, feito por especialistas da OMS e chineses, analisou quatro hipóteses de como o vírus atingiu os humanos, classificando-as da mais à menos provável.

- Um animal vetor -

Essa hipótese, considerada pelos especialistas "entre provável e muito provável", defende que o vírus foi transmitido do animal hospedeiro original, provavelmente um morcego, ao ser humano por meio de um animal hospedeiro intermediário.

- Argumentos a favor:

Embora os vírus mais semelhantes tenham sido encontrados em morcegos, a distância evolutiva entre esses vírus e o SARS-CoV-2 que causa a covid-19 é estimada em várias décadas, sugerindo um "elo perdido" entre os dois, de acordo com o relatório.

Outros vírus muito semelhantes também foram detectados em pangolins, sugerindo que a transmissão entre espécies de morcegos ocorreu pelo menos uma vez. O relatório também observa que uma etapa intermediária envolvendo um hospedeiro que pode incluir outros vírus foi observada.

- Contra-argumentos:

O SARS-CoV-2 foi encontrado em um número crescente de espécies animais, mas estudos sugerem que os humanos os infectaram.

Até agora, os testes realizados em uma ampla gama de animais domésticos e selvagens na região onde o surto começou não mostraram sinais de SARS-CoV-2.

- Próximos passos:

Os especialistas sugerem que o vírus poderia ter sido introduzido por meio da importação para Wuhan de carne de fazendas de animais selvagens em outras províncias chinesas.

"Embora isso não prove um relacionamento, fornece um próximo passo significativo" a ser examinado, de acordo com o relatório.

- Transmissão direta -

Esta hipótese, considerada de "possível a provável", assume que o SARS-CoV-2 passou diretamente do hospedeiro original, provavelmente um morcego, para os humanos.

- A favor:

A maior parte dos coronavírus encontrados em humanos hoje vem de animais. Assim, vírus com grande similaridade genética com o SARS-CoV-2 foram encontrados em morcegos 'Rhinolophus'.

O documento também observa que "anticorpos contra proteínas de coronavírus de morcego foram encontrados em humanos que estiveram em contato próximo com eles".

Vírus semelhantes também foram detectados no pangolim malaio e o relatório não descarta que os visons sejam a principal fonte.

- Contra:

Embora a relação genética mais próxima com o SARS-CoV-2 seja um vírus de morcego, a análise indica que há uma diferença evolutiva significativa entre eles.

"Além disso, os contatos de homem com morcego ou pangolim não são tão frequentes quanto o contato de homem com gado ou animal selvagem".

- Próximos passos:

O relatório observa que os estudos de rastreamento da cadeia de suprimentos dos mercados de Wuhan fornecem algumas "pistas confiáveis", que devem ser estendidas a outros países.

- Cadeia de frio -

Esta hipótese, considerada "possível", sugere que os alimentos congelados ou suas embalagens podem ter sido um vetor potencial para a SARS-CoV-2.

Pequim defende a ideia da origem estrangeira do patógeno, mas, segundo o relatório, a hipótese de sua entrada na China por meio de alimentos congelados em 2019 seria "extraordinária", pois o vírus "não circulava então em uma grande escala" no mundo.

- A favor:

A China registrou alguns surtos relacionados à importação de produtos congelados em 2020. O SARS-CoV-2 foi detectado na embalagem externa de produtos congelados importados, sugerindo que o vírus pode resistir ao frio.

- Contra:

"Não há evidências conclusivas para a transmissão do SARS-CoV-2 através dos alimentos e a probabilidade de contaminação da cadeia de frio com o vírus de um reservatório é muito baixa", observa o relatório.

- Próximos passos:

Os especialistas pediram que os restos de produtos congelados, especialmente animais silvestres, vendidos no Mercado Huanan de Wuhan desde dezembro de 2019, fossem examinados se ainda estivessem disponíveis.

- Acidente de laboratório -

Esta hipótese, considerada "extremamente improvável", considera que o SARS-CoV-2 foi disseminado por um acidente de laboratório. Os especialistas não consideraram a hipótese de escape deliberado, já descartado pelos cientistas.

- A favor:

"Embora raros, acidentes de laboratório ocorrem", observa o relatório. E o CoV RaTG13, a cepa mais próxima do SARS-CoV-2 e encontrada em amostras anais de morcegos, foi sequenciado no Instituto de Virologia de Wuhan.

- Contra:

"Não há registros de vírus intimamente relacionados ao SARS-CoV-2 em qualquer laboratório antes de dezembro de 2019, nem de genomas que combinados poderiam fornecer um genoma SARS-CoV-2", diz o relatório.

"O risco de crescimento acidental do SARS-CoV-2 no laboratório é extremamente baixo", acrescenta.

- Próximos passos:

"Revisão administrativa e interna periódica de laboratórios de biossegurança de alto nível em todo o mundo. Acompanhamento de novas evidências fornecidas sobre possíveis vazamentos em laboratórios."


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade