Publicidade

Estado de Minas BRUXELAS

UE está 'tomando medidas' por atrasos na entrega de vacinas da AstraZeneca


23/03/2021 12:18

A Comissão Europeia anunciou nesta terça-feira (23) que vai endurecer os controles sobre as exportações de vacinas anticovid nos países da UE e que já está "tomando medidas" sobre as entregas do laboratório AstraZeneca.

Um porta-voz da Comissão disse nesta terça que a instituição deve iniciar amanhã "uma revisão do mecanismo de autorização e transparência das exportações".

É provável que o assunto seja objeto de debates durante a cúpula dos líderes da UE nestas quinta e sexta-feiras, que deve acontecer por videoconferência.

Na semana passada, a Comissão anunciou que estava pronta para impor condições mais rígidas às exportações de vacinas da Europa, em um gesto direcionado explicitamente à AstraZeneca, que tem sede no Reino Unido.

Em um discurso aos eurodeputados, a chefe da Direção de Saúde da Comissão, Sandra Gallina, disse que a UE tem "um problema grave" com a AstraZeneca.

A empresa anglo-sueca entregou menos de 25% das mais de 100 milhões de doses que se comprometeu a fornecer nos primeiros três meses deste ano, disse a funcionária.

"Gostaria de informar que estamos tomando medidas", disse Gallina sobre a AstraZeneca.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ameaçou proibir a exportação de vacinas da AstraZeneca, sugestão que provocou uma disputa acirrada entre Bruxelas e Londres, acompanhada de acusações mútuas de "nacionalismo das vacinas".

Segundo o mecanismo de controle de exportações da UE, adotado e implementado no final de janeiro, um fabricante de vacinas deve solicitar autorização para enviar doses fora do bloco.

Até agora, foi registrado apenas um caso de envio bloqueado, quando a Itália vetou a exportação de vacinas para a Austrália.

Os Estados-membros da UE estão divididos sobre se devem intensificar as proibições de exportação.

Vários países recordam que o Reino Unido já recebeu mais de 10 milhões de vacinas produzidas na UE este ano, mas que o bloco não recebeu nenhuma dose produzida no território britânico.

Outros países temem que esta disputa possa desencadear represálias que afogariam as redes internacionais de fornecimento de vacinas, algumas das quais proporcionam itens cruciais.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade