Publicidade

Estado de Minas MOSCOU

Rússia e China rejeitam acusações "oportunismo" a respeito das vacinas


23/03/2021 08:16

Os chefes da diplomacia da Rússia e da China criticaram nesta terça-feira a política dos países ocidentais a respeito das vacinas contra o coronavírus e se defenderam das acusações de "oportunismo", ressaltando que desejam apenas "salvar vidas".

As afirmações foram feitas durante o processo de análise da vacina russa Sputnik V na União Europeia, considerado muito lento por Moscou.

Bruxelas afirma que Rússia e China que estão usando as vacinas com objetivos de "propaganda".

Os países ocidentais "tentam apresentar Rússia e China como oportunistas no que chamam de diplomacia das vacinas. E não é verdade", afirmou o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, que fez uma visita oficial a Pequim.

A política em termos de vacinas deve ser "guiada por critérios de humanidade, pelo interesse em salvar vidas e não por temas geopolíticos ou questões comerciais para deixar os concorrentes para trás", completou, segundo as agências de notícias russas.

"Mais do que dizer que a China deseja fazer uma espécie de diplomacia das vacinas, seria melhor dizer que a China deseja fazer uma ação humanitária", afirmou seu colega chinês Wang Yi.

"Nossa intenção, desde o início, é que o maior número possível de pessoas receba uma vacina o mais rápido possível", insistiu.

Um grupo de especialistas da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) viajará à Rússia até 10 de abril para analisar os testes clínicos da Sputnik V, segundo o ministro russo da Saúde, Mikhail Murashko.

Vários países da UE, a Hungria por exemplo, já estão aplicando as vacinas russa e chinesas, ainda não aprovadas pela EMA, para acelerar a campanha de vacinação.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade