Publicidade

Estado de Minas COX'S BAZAR

Incêndio em campo de refugiados rohingyas em Bangladesh deixa 15 mortos e 400 desaparecidos


23/03/2021 09:51 - atualizado 23/03/2021 09:55

Ao menos 15 mortes foram confirmadas, e 400 pessoas são consideradas desaparecidas após um grande incêndio em um campo de refugiados rohingyas no sudeste de Bangladesh, que obrigou a fuga de pelo menos 45.000 pessoas - anunciaram autoridades locais e trabalhadores humanitários.

"O que vimos neste incêndio é algo que nunca vimos antes nesses campos. É enorme. É devastador", disse o representante do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados em Bangladesh, Johannes van der Klaauw, a repórteres em Genebra, por meio de um link de vídeo a partir de Dacca.

"Até o momento, confirmamos 15 mortos, 560 feridos, 400 pessoas desaparecidas e pelo menos 10.000 abrigos destruídos. Isso significa que pelo menos 45.000 pessoas estão sendo deslocadas e para as quais agora buscamos abrigo provisório", relatou.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) prometeu US$ 1 milhão em ajuda imediata. "Outros US$ 20 milhões serão necessários para suprir as necessidades mais urgentes", disse a porta-voz Angela Well.

O incêndio começou na segunda-feira (22) e durou mais de 10 horas, declarou à AFP Mohammad Yasin, um rohingya. Espessas colunas de fumaça saíam dos abrigos em chamas, onde centenas de bombeiros e trabalhadores humanitários lutavam contra as chamas e ajudavam a retirar os refugiados.

"Quase 10.000 barracas foram incendiadas", disse mais cedo à AFP o secretário de gestão de catástrofes e ajuda de Bangladesh, Mohsin Chowdhury.

"Criamos uma comissão de sete membros para investigar o incêndio", completou.

Os bombeiros conseguiram controlar as chamas na área por volta da meia-noite (horário local).

Quase um milhão de membros desta minoria muçulmana de Mianmar vivem em condições precárias em campos do distrito de Cox's Bazar desde que fugiram da repressão militar em seu país em 2017.

O incêndio foi o terceiro registrado em campos rohingyas em quatro dias, disse à AFP um oficial do corpo de bombeiros, que não soube determinar as causas dos incidentes.

Na sexta-feira, dois incêndios destruíram dezenas de abrigos de rohingyas, segundo as autoridades.

As autoridades indicaram que o incêndio começou em um dos 34 acampamentos, que incluem mais de 3.000 hectares, e depois se propagou para outros três, o que obrigou os refugiados a fugirem com o que conseguiram salvar.

De acordo com a organização Refugees International, o fogo destruiu milhares de cabanas improvisadas de lona e bambu.

"Esta tragédia é uma lembrança terrível da posição vulnerável dos refugiados rohingyas, retidos entre condições cada vez mais precárias em Bangladesh e a realidade de um país agora governado pelos militares responsáveis pelo genocídio que os obrigou a fugir", afirmou a organização.

"Estamos prestando ajuda por meio do fornecimento de alimentos e água, assim como de abrigos de emergência para as pessoas que perderam suas casas", disse M. A. Halim, diretor de operações em Cox's Bazar do Crescente Vermelho de Bangladesh.

Ele também anunciou que são necessários "esforços ainda maiores" nas próximas semanas, especialmente com a aproximação da temporada de ciclones.

O inspetor de polícia Gazi Salahuddin disse que o incêndio ficou ainda mais grave com a explosão de botijões de gás que os refugiados usam para cozinhar.

"Este é o maior incêndio desde o fluxo de rohingyas em agosto de 2017", disse à AFP o comissário adjunto para os refugiados, Shamsud Douza.

Ele afirmou que alimentos foram distribuídos entre os deslocados, e voluntários tentam proporcionar todo apoio humanitário necessário.

- "Uma coincidência muito grande" -

O representante dos rohingyas, Sayed Ullah, pediu "uma investigação imediata" e disse que a natureza dos incêndios gera muita preocupação.

"Não sabemos por que estes incêndios se repetem nos campos. Precisamos de uma investigação adequada e completa", disse à AFP.

"Muitas crianças estão desaparecidas, e algumas não conseguiram fugir, devido ao arame farpado nos campos", lamentou.

"Não conseguimos fugir por causa da cerca. Minha filha menor ficou gravemente ferida", lamentou Myo Min Khan.

A polícia rebateu a acusação e alegou que apenas uma parte pequena do campo estava com cercas.

Em janeiro deste ano, aconteceram dois grandes incêndios nos campos, que deixaram milhares de rohingyas sem casas e destruíram quatro escolas construídas pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

O diretor da Anistia Internacional para o Sul da Ásia, Saad Hammadi, disse que a "frequência dos incêndios nos campos é uma coincidência muito grande, sobretudo, porque não são conhecidos os resultados das investigações prévias sobre os incidentes, e estes se repetem".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade