Publicidade

Estado de Minas ISTAMBUL

Moeda turca afunda após demissão do presidente do Banco Central


22/03/2021 16:51 - atualizado 22/03/2021 16:55

A lira turca desvalorizou drasticamente e a Bolsa de Valores de Istambul fechou com uma queda de quase 10% nesta segunda-feira (22), depois que o presidente Recep Tayyip Erdogan demitiu inesperadamente o presidente do Banco Central.

A lira turca despencou quase 15% em relação ao dólar nas primeiras horas desta segunda nos mercados de câmbio, negociada na Ásia a 8,47 por dólar, contra 7,22 no final da semana passada.

Mais tarde, recuperou um pouco, subindo para 7,97 pouco após as 15h GMT (12h de Brasília).

A Bolsa de Istambul também foi afetada, com queda de 9,8% no fechamento, depois que as operações foram suspensas duas vezes pela manhã, em aplicação de um mecanismo que prevê uma interrupção em caso de fortes oscilações.

Os mercados estão sendo duramente atingidos pela demissão por Erdogan do governador do Banco Central, Naci Agbal, um respeitado ex-ministro da Economia, quatro meses após sua nomeação.

Agbal foi demitido na sexta-feira à noite por meio de um decreto presidencial que não forneceu razões oficiais, mas aconteceu dois dias depois de o Banco Central elevar drasticamente sua principal taxa de juros em 200 pontos base, um movimento bem recebido pelos investidores como forma de combater a inflação.

- "Sem regras" -

A demissão de Agbal e a queda da lira no contexto de uma economia afetada pelo impacto do coronavírus deixaram muitos turcos desiludidos.

"A Turquia dá a impressão de ser um país que não segue nenhuma regra. Não há mais direitos, não há mais democracia e tudo isso tem um impacto", disse Adem Demirtas, consultor financeiro em uma rua comercial no centro de Istambul.

"Apoiar o governo não significa fechar os olhos aos seus erros. Se erros forem cometidos, eles devem ser reparados", declarou Sukru Kocak, outro morador da cidade.

O presidente Erdogan, defensor de um crescimento forte alimentado pelo crédito barato, sempre expressou sua oposição às altas taxas de juros.

Em uma tentativa de tranquilizar os investidores, o ministro turco das Finanças, Lütfi Elvan, declarou que seu país manterá um regime de taxa de câmbio livre, apesar da queda drástica da lira turca.

"Não faremos nenhuma concessão em relação ao mecanismo de livre mercado e manteremos um regime de taxa de câmbio livre", disse em um comunicado.

Agbal foi substituído por Sahap Kavcioglu, um economista e ex-parlamentar do partido no poder, uma nomeação que preocupa os investidores e lança dúvidas sobre a futura independência do Banco Central.

O aumento da inflação na Turquia nos últimos anos, juntamente com a erosão da lira turca, corroeu a popularidade do presidente Erdogan.

Em fevereiro, a inflação atingiu 15,6% em termos anuais.

A agência de classificação de risco Moody's observou em nota que a troca "mostra que os aumentos das taxas não estarão mais na agenda" e que elas podem até ser reduzidas para impulsionar o crescimento econômico, que em 2020 chegou a 1,8%.

O outro lado desse tipo de política, segundo a Moody's, é que se traduziria em "um aumento das importações e um crescimento do déficit das contas correntes".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade