Publicidade

Estado de Minas PEQUIM

Pandemia viral atrapalha preparativos do Ano Novo chinês


28/01/2021 11:26

Voos cancelados, estações de trem mais vazias do que o normal e apelos para permanecer em casa. O medo de novos surtos de coronavírus na China atrapalha os planos e estraga os preparativos para o feriado do Ano Novo lunar.

Este feriado - de uma semana de férias (de 11 a 17 de fevereiro este ano) - é, para muitos chineses, a única ocasião para visitar parentes.

Esse período cria, tradicionalmente, um grande fluxo nos transportes, e muitos viajantes antecipam sua partida em várias semanas nesta migração gigante, a maior do mundo.

Mas, faltando 40 dias para a entrada da China no Ano do Búfalo, o poder comunista convoca a população a ficar em casa, em um contexto de deterioração das condições sanitárias, devido ao coronavírus.

Em Pequim, "a situação epidêmica é séria e complexa", disseram autoridades da saúde nesta quinta-feira, desencorajando qualquer movimento para fora da cidade, exceto em caso de necessidade.

Vários bairros foram atingidos nas últimas semanas, principalmente com a descoberta de um foco de contágio com a variante inglesa nos subúrbios do sul.

Pequim, o coração do poder político, também está sob pressão um mês antes da grande reunião anual do Partido Comunista Chinês (PCC). O encontro já havia sido adiado por vários meses no ano passado, também por causa da epidemia.

A China, onde a doença apareceu no final de 2019, conseguiu contê-la, em grande parte, desde a primavera passada, graças a confinamentos, rastreamento de movimentos e contatos, testes de diagnóstico e aumento no rigor da entrada no país de pessoas procedentes do exterior.

A estratégia se mostrou bem-sucedida, de acordo com dados oficiais, com apenas duas mortes registradas por covid-19 desde maio passado.

Agora, o surgimento de novos focos de contágio, no norte e na região fronteiriça de Pequim, provocou uma resposta drástica das autoridades.

A partir de hoje, o governo impôs teste de detecção na chegada a Pequim para todos os viajantes, bem como um período de observação de 14 dias, durante o qual mais dois testes serão necessários.

Pessoas das áreas ditas "de risco" simplesmente não têm permissão para ir à capital.

Essas novas regras procuram desencorajar os deslocamentos. Como resultado, centenas de voos de e para Pequim foram cancelados, de acordo com o site especializado Variflight. E as companhias aéreas e a operadora ferroviária foram solicitadas a reembolsar seus clientes.

Por medo do vírus, muitos residentes faziam fila para se submeter ao teste, apesar do vento gelado, observou a AFP.

A cidade de Hangzhou (leste), lar de vários gigantes da tecnologia, oferece aos seus habitantes 1.000 yuans (US$ 155) se eles renunciarem a qualquer viagem.

Conhecida por seu grande mercado de exportação, Yiwu (leste) recompensa seus trabalhadores com vales de compras e oferece atividades gratuitas para ocupar as crianças.

As plataformas de vídeo on-line disponibilizam, por sua vez, parte de seu catálogo gratuitamente, enquanto as principais operadoras de telefonia de Pequim oferecerão um pacote de 20 gigabytes de Internet aos seus assinantes durante o feriado.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade