Publicidade

Estado de Minas SANTIAGO

Exportações da América Latina caem 13% em 2020 pela pandemia


22/01/2021 14:39 - atualizado 22/01/2021 14:43

O valor das exportações da América Latina e Caribe em 2020, diminuiu 13% em relação ao ano anterior, na influência da crise econômica gerada pela covid-19, informou a Cepal nesta sexta-feira (22).

Segundo a Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal), as importações foram reduzidas em 20%.

Embora a contração seja menor que a projetada no início de agosto do ano passado (-23%), é a pior queda das exportações desde a crise financeira mundial de 2008-2009.

"A região se 'desintegra' comercial e produtivamente desde meados da década passada, coincidindo com seu menor crescimento em sete décadas", disse Alicia Bárcena, secretária-geral da Cepal, ao entregar o relatório de Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e Caribe 2020, na sede regional desta instituição da ONU, em Santiago.

"Isso é muito preocupante, porque o comércio intrarregional é o mais propício à diversificação de produtos, internacionalização de empresas (especialmente PMEs) e igualdade de gênero", continuou Bárcena.

A Cepal assinalou que a região deve promover uma agenda compartilhada de facilitação do comércio, infraestrutura de transporte, logística e cooperação digital para gerar sinergias em setores-chave dinâmicos.

Desagregada por sub-regiões, a América Central apresentou a menor queda nas exportações, que foi de 2%.

Enquanto isso, o comércio na América do Sul e no México - segunda maior economia da região atrás do Brasil - apresentaria retração de 13% em cada um e o Caribe de 16%.

- As mulheres, as mais atingidas -

Com mais de 17 milhões de infectados e mais de 550.000 mortos, o coronavírus atingiu duramente a América Latina, provocando uma crise econômica que levou a uma contração do crescimento de 7,7% em 2020.

A pandemia obrigou os governos o fechamento de fronteiras e a estabelecer restrições à mobilidade que impactaram fortemente o comércio externo, afetando em particular as mulheres e sua participação no comércio.

A crise afetou particularmente as mulheres trabalhadoras e empresárias vinculadas ao turismo (a nível regional e especialmente no Caribe) e à indústria têxtil e de confecção para exportação (na América Central e no México), segundo a Cepal.

"É fundamental promover a participação das mulheres trabalhadoras e empresárias em setores dinâmicos e nas cadeias produtivas regionais, para (alcançar) uma recuperação transformadora com igualdade de gênero e sustentabilidade", afirmou Bárcena.

A Cepal destacou que, a nível mundial, o coronavírus intensificou as tensões comerciais e tecnológicas entre os Estados Unidos e a China, alimentou o crescente nacionalismo econômico e os conflitos nas relações comerciais, assim como o enfraquecimento da cooperação multilateral.

- Um 2021 de incertezas -

Para 2021, a Cepal estima que as exportações crescerão entre 10% e 15% sobre 2020. No entanto, Bárcena considera que a onda de surtos da doença na região criou uma "incerteza" sobre o que realmente acontecerá no comércio externo em 2021.

Bárcena disse que 2021 será "o ano da vacinação".

É preciso "universalizar" a entrega das vacinas e avançar em um processo de inoculação que "durará vários meses" na região.

O documento da Cepal indica que a melhora dos preços dos produtos básicos e o aumento da demanda nos Estados Unidos, China e Europa criaram condições para uma incipiente recuperação das exportações regionais.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade