Publicidade

Estado de Minas CAIRO

Egito tem liberdades destruídas 10 anos após manifestações de Tahrir


21/01/2021 09:33

Dez anos depois das manifestações na Praça Tahrir e do vento da liberdade que varreu o autocrata Hosni Mubarak, o presidente egípcio Abdel Fatah al-Sissi não mede esforços para evitar um cenário semelhante, reprimindo qualquer oposição sem piedade.

Ativistas, políticos, advogados, jornalistas e intelectuais são presos por uma justiça que age rápido. Após a derrubada pelo Exército em 2013 do primeiro presidente eleito em eleições livres - o islamita Mohamed Mursi -, a sociedade civil egípcia perdeu pouco a pouco os espaços para se expressar livremente.

Segundo ONGs de defesa dos direitos humanos, junto a isso soma-se as desastrosas condições de prisão, torturas e execuções extrajudiciais. No início de dezembro, a Anistia Internacional denunciou um recente "frenesi de execuções".

A Human Rights Watch destaca em seu relatório mundial de 2021 a "mão dura do governo autoritário" de Sissi, acrescentando que "a epidemia da covid-19 (...) agravou as já terríveis condições de prisão". "Dezenas de presos morreram na prisão, entre eles ao menos 14 aparentemente por causa da covid-19", segundo a ONG.

"A Primavera Árabe no Egito durou pouco", afirma à AFP Agnès Callamard, relatora especial das Nações Unidas sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias. Em sua opinião, "o regime aprendeu a pior lição da Primavera Árabe: cortar pela raiz qualquer desejo de liberdade".

Diante das críticas internacionais, a resposta das autoridades egípcias não muda.

"No Egito, estamos convencidos de que a avaliação da fidelidade [de um Estado] aos direitos humanos é responsabilidade da sociedade em questão e não de partes externas", reiterou recentemente o ministro das Relações Exteriores, Sameh Shukry.

As autoridades negam qualquer prática de prisão arbitrária ou de tortura.

A onda repressiva começou no verão de 2013, quando a polícia matou centenas de islâmicos que protestavam contra a derrubada de Mursi no Cairo, segundo várias ONGs.

Depois, a irmandade dos Irmãos Muçulmanos, proibida em 2013, foi alvo de prisões arbitrárias, prisões provisórias, julgamentos em massa e condenação à morte. Mas isso também afetou a oposição liberal.

E Sissi, eleito em 2014 e reeleito em 2018 com mais de 97% dos votos por falta de uma oposição de peso, se fortaleceu.

A repressão também é dirigida aos meios de comunicação e à liberdade de expressão, com centenas de sites de informação bloqueados desde 2017. Segundo o Repórteres Sem Fronteiras, 28 jornalistas estão presos no país.

O estado de emergência, vigente desde abril de 2017, foi reforçado em maio de 2020 em plena pandemia de coronavírus. Um pretexto, segundo as ONGs, para impor "novos poderes repressivos".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade