Publicidade

Estado de Minas MOSCOU

Polícia russa prende aliados do opositor Navalny antes de fim de semana de protestos


21/01/2021 19:16 - atualizado 21/01/2021 19:19

As autoridades russas prenderam cinco colaboradores do opositor Alexei Navalny nesta quinta-feira (21), antes de um fim de semana de protestos convocados após uma investigação que acusa o presidente Vladimir Putin de corrupção.

Divulgada na terça-feira, essa longa investigação promovida por Navalny, acompanhada de um vídeo de quase duas horas, já foi vista cerca de 40 milhões de vezes no YouTube. A apuração indica que o presidente russo foi beneficiado por empresários com uma luxuosa casa às margens do Mar Negro.

O Kremlin rejeitou todas as acusações, denunciando um "ataque" contra Putin e chamando os membros da equipe de Navalny de "vigaristas".

A polícia prendeu Liubov Sobol, uma figura próxima de Navalny, por "convocar manifestações não autorizadas", além de outros colaboradores, disse à AFP seu advogado, Vladimir Voronin.

- Milhões de visitas -

A divulgação do vídeo impulsionou milhares de postagens nas redes sociais em apoio ao chamado para manifestações em toda a Rússia no sábado pela libertação do opositor.

Os jovens foram mobilizados principalmente no Tik Tok.

A equipe de Navalny também disse à AFP que recebeu quase 10 milhões de rublos (112.000 euros) em doações.

O opositor, ignorado pela mídia nacional tradicional, dispõe de grande popularidade e audiência online entre as gerações mais jovens e nas grandes cidades.

Em Moscou, ele reuniu grandes multidões antes das polêmicas eleições locais de 2019.

- "Atividades ilegais" -

Diante dos pedidos de mobilização, o Ministério Público russo anunciou medidas para "limitar o acesso a informações ilegais" disseminadas online e constituindo "apelos para participação em ações ilegais em massa em 23 de janeiro de 2021".

A agência de telecomunicações russa Roskomnadzor emitiu um alerta às plataformas Tik Tok e Vkontakte, o equivalente russo do Facebook, instruindo-as a bloquear conteúdos considerados como apelos a "menores para participarem de atividades ilegais".

A mídia de oposição também noticiou que estudantes russos receberam mensagens de suas universidades dissuadindo-os de participar dessas manifestações.

Após sua prisão no domingo, ao retornar da Alemanha, Navalny convocou manifestações contra o poder em todo o país.

Sua equipe planeja protestos em pelo menos 65 cidades, desde Moscou a São Petersburgo, passando por Khabarovsk no Extremo Oriente russo e Yekaterinburg, nos Urais.

Alexei Navalny, cuja libertação é exigida pela União Europeia e pelos Estados Unidos, foi preso quando retornava a Moscou depois de vários meses de convalescença após um suposto envenenamento que sofreu em agosto na Sibéria.

Ele acusa o Kremlin de ser o responsável, o que Moscou nega.

O principal opositor russo, detido pelo menos até 15 de fevereiro, também é alvo de vários processos judiciais por "difamação", "fraude" e violação das condições de uma pena de prisão suspensa datada de 2014.

GOOGLE


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade