Publicidade

Estado de Minas CARACAS

Novo Parlamento chavista da Venezuela pede liberação de recursos bloqueados por sanções


19/01/2021 21:48

O novo Parlamento da Venezuela, controlado pelo chavismo após eleições boicotadas pelos principais partidos políticos da oposição, aprovou nesta terça-feira (19) um acordo para liberar recursos bloqueados por sanções, visando comprar vacinas contra a covid-19.

A Assembleia Nacional, unicameral, aprovou por unanimidade um acordo que convoca os países e instituições do sistema financeiro internacional a "liberarem com urgência os recursos financeiros que permitam (...) adquirir as doses da vacina contra a covid-19 e começar com rapidez o processo de vacinação em massa".

Em sua ofensiva para tentar tirar do poder o presidente socialista Nicolás Maduro, os Estados Unidos impuseram sanções financeiras à Venezuela e à sua petroleira estatal PDVSA. Ao mesmo tempo, fundos estatais venezuelanos foram bloqueados nos EUA e em várias nações da Europa.

O acordo pede ao secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, e à alta comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, a "adotarem todas as medidas ao seu alcance para colocar fim" a essas medidas.

Maduro anunciou em novembro que havia negociado com a Rússia a compra de 10 milhões unidades de sua vacina, a Sputnik V.

O Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), que está no poder, e seus aliados ocupam 256 dos 277 assentos no Parlamento após as eleições de 6 de dezembro, descritas como uma "farsa" pela maioria da oposição, que se absteve de participar, e não reconhecidas pelos Estados Unidos, União Europeia e vários países da América Latina.

Sob o argumento de que a votação foi uma fraude, o líder da oposição Juan Guaidó defende a continuidade da antiga Assembleia Nacional opositora, eleita em 2015, cujo mandato terminou em 5 de janeiro.

Guaidó, ainda reconhecido como presidente da Venezuela por cinquenta países, incluindo os Estados Unidos, tem promovido sanções para tentar forçar a saída de Maduro.

No início de janeiro, a comissão delegada com a qual Guaidó busca manter o Congresso anterior promoveu negociações com a Organização Mundial da Saúde (OMS) para a aquisição de 12 milhões de vacinas por meio do mecanismo global Covax. Não está claro como isso de desenvolveria, já que Maduro mantém o controle institucional e territorial do país.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade