Publicidade

Estado de Minas

Tensas manifestações na França pela defesa das liberdades


05/12/2020 18:07

O dia de manifestações na França pela defesa dos direitos sociais e liberdades terminou neste sábado (5) com incidentes, principalmente em Paris, com carros queimados, vitrines quebradas e dezenas de presos.

Os protestos reuniram 52.350 pessoas em cerca de 90 manifestações em todo o país, de acordo com o Ministério de Interiores, que relatou 64 prisões e oito policiais feridos.

A França vive um clima político tenso em meio à pandemia do novo coronavírus. Um projeto de lei governamental de "segurança global", que quer restringir a obtenção de imagens policiais, mobiliza a oposição de esquerda há semanas.

A essa mobilização, pontilhada de incidentes de violência policial que vêm provocando indignação, junta-se à precariedade social, com o aumento do desemprego e da pobreza.

Em Paris, a marcha de cerca de 5 mil pessoas começou no norte da capital, sob um grande dispositivo de segurança, uma semana depois de um protesto que também terminou em confrontos violentos.

Projéteis foram disparados contra as forças de segurança, que responderam disparando gás lacrimogêneo, segundo jornalistas da AFP.

Trinta pessoas foram presas, segundo o ministro de Interiores, Gérald Darmanin, que fez referência a "indivíduos muito violentos" em sua conta no Twitter.

"Os desordeiros estão destruindo a República", tuitou o ministro. "Apoio nossos policiais e gendarmes, novamente atacados com muita violência", acrescentou.

Entre "400 e 500 elementos radicais", indicou uma fonte policial, cometeram inúmeros danos.

"Todo mundo odeia a polícia", "anti, anti, anti-capitalista", gritavam alguns participantes. Barricadas também foram armadas e houve incêndios.

Os confrontos foram igualmente graves em Nantes (oeste), onde dois policiais ficaram feridos, um deles por um coquetel molotov, durante uma manifestação de 3.000 pessoas. A situação continuou tensa no centro da cidade à tarde, segundo um fotógrafo da AFP.

O polêmico projeto do governo do presidente Emmanuel Macron pretende restringir severamente a divulgação de imagens de policiais, que seus críticos consideram um golpe "à liberdade de imprensa, liberdade de expressão e liberdade de manifestação", e vai estabelecer "ferramentas de vigilância em massa".

Além do espancamento brutal de um produtor negro, pelo qual três policiais foram acusados - outro episódio de violência policial - a evacuação de um acampamento de migrantes no centro de Paris, também gerou polêmica.

"Em dois anos vi muita violência, não é normal que não possamos filmar", declarou à AFP Nadine, que faz parte do "colete amarelo", movimento social que surgiu no final de 2018.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade