Publicidade

Estado de Minas

O retorno do pop com Beyoncé, Taylor Swift e Dua Lipa favoritas ao Grammy


24/11/2020 19:07

A rainha do pop Beyoncé é a favorita ao Grammy Awards de 2021, com nove indicações, enquanto a indústria musical, devastada pela pandemia do coronavírus, se prepara para celebrar seus artistas de maior sucesso.

Em segundo lugar com seis indicações cada estão duas outras estrelas do pop: Dua Lipa - que lançou um álbum de hits para dançar em meio ao fechamento das casas noturnas em março - e Taylor Swift, cujo álbum "Folklore" gravado no meio da quarentena a trouxe de volta ao clube dos queridinhos da Academia.

O rapper Roddy Ricch, que ganhou um troféu no ano passado por sua colaboração com o falecido artista Nipsey Hussle, também recebeu seis indicações, incluindo Canção do Ano, que premia a composição, por "The Box". Ele também está concorrendo a Gravação do Ano por seu trabalho com DaBaby em "Rockstar".

Beyoncé, de 39 anos, que já ganhou 24 prêmios Grammy, foi também indicada nessas duas categorias por "Black Parade", assim como na de Melhor Filme Musical por "Black is King".

A música "Black Parade" foi lançada em junho em meio a protestos massivos nos EUA contra o racismo e a brutalidade policial após George Floyd, um homem negro, ser morto por policiais brancos em Minneapolis em maio. "Levante o punho, mostre o amor negros", canta Beyoncé, a artista mais indicada na história do Grammy, 79 vezes.

Em 2017, Beyoncé perdeu na categoria de Álbum do Ano para a britânica Adele em uma decisão polêmica que às vezes é citada como exemplo da falta de diversidade da Academia.

Swift, outra queridinha do Grammy que foi deixada de lado pela Academia nos últimos anos, foi indicada em Melhor Álbum do Ano por "Folklore". Seu single "Cardigan" concorre ao prêmio de Canção do Ano.

Seus rivais nessa categoria incluem "Black Parade", assim como músicas de Ricch, da vencedora do ano passado, Billie Eilish, e do rapper Post Malone.

A cantora e compositora de blues Brittany Howard, vocalista da banda Alabama Shakes, recebeu cinco indicações após lançar seu primeiro álbum solo, "Jaime".

- Black Lives Matter -

Justin Bieber recebeu quatro indicações nas categorias Pop e Country Music pela primeira vez, por sua parceria na canção de Dan e Shay "10,000 hours".

Depois de arrematar as categorias gerais no ano passado, Eilish recebeu quatro indicações este ano, assim como o rapper DaBaby.

Depois de um grande ano, a rapper de Houston Megan Thee Stallion foi indicada ao Grammy pela primeira vez em quatro categorias diferentes.

O remix de sua popular canção "Savage" - com a participação de Beyoncé - concorre a vários prêmios, incluindo Gravação do Ano.

Parece que o movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) chamou a atenção da Academia: além do hino ao poder negro de Beyoncé, "The Bigger Picture" de Lil Baby, lançado durante os protestos, tem duas indicações.

E H.E.R., a artista de R&B; de 23 anos vencedora do Grammy, foi indicada na categoria Canção do Ano por "I Can't Breathe" (Não consigo respirar), algumas das últimas palavras de George Floyd antes de morrer e um slogan das manifestações.

Nas categorias latinas, o artista de reggaeton porto-riquenho Bad Bunny - que anunciou na segunda-feira que tinha testado positivo para o novo coronavírus - concorre a Melhor Álbum de World Music com "YHLQMDLG", e enfrenta "Pela primera vez" de Camilo, "Mesa para dos" do porto-riquenho Kany García, "Pausa" do porto-riquenho Ricky Martin e "3:33" da costarriquenha Debi Nova.

Também estão competindo pelo Melhor Álbum Latino de Rock, urbano ou alternativo, "Aura", do grupo uruguaio-argentino de tango eletrônico Bajofondo; "Monstruo", da chilena Cami; "Sobrevolando", da banda de reggae porto-riquenha Cultura Profética; "La conquista del Espacio", do argentino Fito Páez, e "Miss Colômbia", do cantor colombiano-canadense Lido Pimienta.

Muitas mulheres foram indicadas nas categorias principais e ainda varreram as indicações por gênero musical, incluindo Melhor Álbum Country e Melhor Performance de Rock.

A artista indie californiana Phoebe Bridgers recebeu quatro indicações, entre elas Artista Revelação, e a reclusa Fiona Apple compete em três categorias, incluindo Rock e Música Alternativa.

Ainda assim, essa artista que desprezou a indústria foi deixada de fora das categorias gerais, apesar do fato de seu globalmente aclamado "Fetch The Bolt Cutters" ser o primeiro álbum em quase uma década a receber um 10 publicação musical Pitchfork, uma autoridade no assunto.

As indicações de 2021 parecem estar um passo à frente nos esforços do Grammy para melhorar a diversidade e refletir melhor os rankings, mas muitos foram deixados de lado e, nas redes sociais, muita gente comentou que ainda há um longo caminho pela frente.

Apesar de ser mencionado como um grande favorito, o cantor canadense de R&B; The Weeknd não recebeu uma única indicação.

O álbum "Chromatica" de Lady Gaga, lançado durante a pandemia, teve apenas duas indicações. E a banda de K-pop BTS recebeu apenas uma, por Melhor Performance de Dupla ou Grupo Pop.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade