UAI
Publicidade

Estado de Minas

Trump rejeita debate virtual com Biden e chama Harris de 'monstro'


08/10/2020 15:01

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que ainda está sendo tratado após ser infectado pela covid-19, disse nesta quinta-feira (8) que não participará do debate presidencial da próxima semana, depois que os organizadores decidiram realizar o evento de forma virtual.

"Não vou fazer um debate virtual", disse à Fox News. "É inaceitável para nós", acrescentou o presidente republicano, que busca um segundo mandato.

Trump acusou a comissão bipartidária responsável pela organização de "proteger" seu oponente democrata Joe Biden e afirmou: "Não vou perder meu tempo em um debate virtual. Debater não é isso".

O presidente pediu dois debates presenciais com Biden: um em 22 e outro em 29 de outubro, disse seu chefe de campanha de reeleição, Bill Stepien.

"Os americanos merecem ouvir diretamente os dois candidatos presidenciais nessas datas", escreveu Stepien em nota.

"O comportamento errado do presidente não o autoriza a mudar um calendário" aceito pelas duas equipes de campanha em junho, respondeu a diretora de campanha de Biden, Kate Bedingfield, em um comunicado.

A menos de um mês das eleições de 3 de novembro, a Comissão que organiza os debates presidenciais anunciou hoje que o evento de 15 de outubro será realizado, mas que os candidatos não estarão no mesmo espaço físico, depois que Trump testou positivo para a covid-19.

A comissão explicou que visa a "proteger a saúde e a segurança de todos os envolvidos" em um país muito afetado pela pandemia da covid-19. Já são mais de 210.000 mortos nos EUA, o mais alto número de óbitos no mundo.

A campanha de Biden afirmou que espera ansiosamente "para falar diretamente com o povo dos Estados Unidos", um comentário que, aparentemente, indica que não descartam este formato.

A porta-voz do candidato democrata acrescentou que Biden quer "comparar" seu plano para unir o país e reconstruí-lo de uma maneira melhor, diante da "liderança fracassada" de Trump que deixou "a pior recessão desde a Grande Depressão".

- "Negociações muito produtivas" -

Trump foi hospitalizado na última sexta-feira (2) pelo coronavírus e passou todo fim de semana internado. Voltou à Casa Branca na segunda-feira e, ontem (7), anunciou que retornou ao Salão Oval.

Sua equipe de campanha afirma que o presidente pode organizar um comício, em vez de comparecer ao debate.

Nesta quinta-feira, ele mudou sua decisão de encerrar as negociações com os democratas para um novo pacote de estímulo econômico para um país em crise. A economia americana registrou uma contração de 31,4% no segundo trimestre, o que destruiu o mercado de trabalho e deixou milhões de desempregados.

"Estamos começando a ter negociações muito produtivas", disse Trump em uma entrevista, afirmando que há "boas chances" de um acordo.

A pandemia levou o índice de desemprego de 3,5% em fevereiro para um máximo de 14,8% em abril. Desde então, o indicador diminuiu e ficou em 7,9% em setembro.

Trump explicou que se refere, especificamente, à assistência às companhias aéreas e a uma ajuda de US$ 1.200 para os trabalhadores, mas estão discutindo um "acordo mais amplo".

Os pedidos de seguro-desemprego nesta semana permaneceram em um nível alto de 840.000, quase sem mudanças em relação à semana passada.

A líder da Câmara dos Representantes Nancy Pelosi, no entanto, rejeitou nesta quinta-feira o plano de ajuda para o setor das companhias aéreas, caso um novo pacote mais amplo não seja aprovado para a economia dos Estados Unidos, muito afetada pela pandemia de covid-19.

"Eu tenho estado muito aberta para uma lei independente para as companhias áereas, como parte de uma lei mais ampla. Não vai existir uma lei independente para as companhias sem um projeto de lei mais abrangente", afirmou Pelosi.

- Um debate vice-presidencial cortês -

As declarações de Trump ocorrem após o debate dos candidatos à vice-presidência na noite de ontem, no qual o braço direito de Trump, Mike Pence, enfrentou a senadora democrata Kamila Harris.

Harris, que pode se tornar a primeira mulher negra a ser vice-presidente dos EUA, criticou a resposta de Trump à pandemia e a descreveu como um "fracasso". Pence acusou a chapa democrata de ser de "extrema esquerda".

Trump chamou Harris de "monstro" nesta quinta-feira e afirmou que Pence a "destruiu" no debate.

"Tudo o que (Harris) disse é mentira", disse Trump.

Harris passou a maior parte do duelo televisionado com Pence atacando Trump por sua gestão da pandemia, acusando-o de liderar o que - segundo ela - foi "o maior fracasso de qualquer governo presidencial na história de nosso país".

A troca foi tensa, mas cortês, o que marcou uma diferença profunda em relação ao debate entre Trump e Biden, em 29 de setembro passado, repleto de interrupções e insultos.

Outros dois debates presidenciais estão previstos: o de 15 de outubro em Miami, e outro, no dia 22, no Tennessee.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade