Publicidade

Estado de Minas

Abbas pede conferência internacional sobre o destino dos palestinos em 2021


25/09/2020 19:31

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, pediu nesta sexta-feira que a ONU organize uma conferência internacional no início de 2021, com a esperança de um novo começo após a eleição americana e o marco do reconhecimento de Israel por parte dois países árabes.

Em um discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, Abbas pediu ao secretário-geral, Antonio Guterres, uma reunião no início de 2021 para "lançar um processo de paz" israelense-palestino "que reúna todas as partes envolvidas".

"Esta conferência deve ter toda a autoridade necessária para lançar um processo de paz sincero com base no direito internacional", disse Abbas em uma mensagem de vídeo gravada devido à pandemia de coronavírus.

A demanda para "acabar com a ocupação" israelense é uma resposta ao plano de paz do presidente americano Donald Trump, que "o mundo inteiro rejeitou e que se opõe a todas as resoluções internacionais", declarou Abbas durante a Assembleia Geral da ONU.

Abbas fez o pedido em um momento de preocupação entre os palestinos com a redução do apoio do mundo árabe a sua campanha para obter um Estado independente.

Emirados Árabes Unidos e Bahrein reconheceram Israel no início do mês, uma grande conquista para o Estado hebreu e uma vitória diplomática para o presidente americano.

Os dois Estados árabes afirmam que ainda apoiam um Estado palestino, mas compartilham com Israel e os Estados Unidos as preocupações sobre o vizinho Irã.

"É uma ilusão pensar que o povo palestino pode ser deixado de fora", disse Abbas.

"Todos vocês devem saber que não pode existir paz, segurança, estabilidade ou coexistência em nossa região sem o fim da ocupação e sem uma solução justa e abrangente para a questão palestina", completou Abbas.

A Autoridade Palestina rejeitou os esforços diplomáticos do governo Trump, que considera tendenciosos a favor de Israel.

Se Trump perder nas eleições de 3 de novembro, a conferência que Abbas pede ocorreria sob o governo do democrata Joe Biden, que também apoia Israel mas prometeu buscar uma solução de dois Estados.

Os palestinos também acordaram realizar eleições no início de 2021, em um momento em que o confronto pela decisão dos dois países árabes abre as portas para uma reconciliação entre o movimento laico Fatah, de Abbas, no poder na Cisjordânia, e o Hamas islamista, na Faixa de Gaza.

O embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, afirmou que o discurso do líder palestino de 84 anos "mostra principalmente que está ficando sem tempo".

Abbas "compreendeu que os acordos de paz que assinamos quebraram o veto palestino sobre os acordos de paz com o mundo árabe e que revelou-se para todos a negativa palestina", continuou.

- Papa apoia multilateralismo -

Em uma mensagem na Assembleia da ONU pela primeira vez em cinco anos, o papa Francisco se distanciou implicitamente da ideologia de Trump resumida com o lema "Estados Unidos primeiro".

"Devemos acabar com o atual clima de desconfiança. Na verdade, estamos enfrentando uma erosão do multilateralismo tão grave quanto no momento de desenvolvimento de novas tecnologias militares", disse o papa em uma mensagem de vídeo gravada.

Ele disse também que o mundo enfrenta um dilema entre o multilateralismo e um caminho ao nacionalismo, protecionismo e isolamento que "exclui os pobres, os vulneráveis e os que vivem na periferia da vida", um caminho "que prejudicaria toda a comunidade".

Além disso, ele também fez um apelo para a flexibilização das sanções internacionais que, segundo ele, castigam os civis ao redor do mundo.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade