Publicidade

Estado de Minas

Tragédia em Beirute: "Orem pelo Líbano", pede cônsul libanês em BH

Cônsul agradece a solidariedade dos brasileiros e diz que o momento é de socorrer as vítimas da explosão


05/08/2020 10:41 - atualizado 05/08/2020 11:29

As buscas por sobreviventes entre os escombros continuam intensas na capital libanesa(foto: Estado de Minas)
As buscas por sobreviventes entre os escombros continuam intensas na capital libanesa (foto: Estado de Minas)
O cônsul libanês em Belo Horizonte, Edmundo Abi-Ackel, classificou como tragédia a explosão de um depósito de amônia nesta terça-feira (4) em Beirute, capital do Líbano. Ele agradeceu as manifestações de solidariedade dos brasileiros e disse que o momento é de cautela, antes de apontar culpados, já que há muita especulação sobre as causas do ocorrido. 

 

"A prioridade agora é socorrer as vítimas, acolher os familiares dos mortos, encontrar os desaparecidos em meio aos escombros e orar pelas famílias libanesas que perderam seus entes queridos", afirmou. 

 

O cônsul disse que as autoridades diplomáticas, associações e comunidades no Brasil estão se mobilizando para prestar ajuda aos atingidos. "Liguei ontem mesmo para o embaixador em Brasília, para que nos oriente sobre ações coordenadas para prestar socorro as vítimas e seus familiares". Ele ressaltou os fortes laços entre a população brasileira e libanesa. Em Minas Gerais são cerca de 2,5 milhões de libaneses e descendentes. 

Segundo Edmundo Abi-Ackel, uma fragata da marinha brasileira se encontrava na região no momento da explosão, mas nenhum tripulante se feriu. A  embaracação se encontrava no porto libanês, fruto de acordo militar entre os dois países. Segundo o consulado, são 20 mil brasileiros que moram no país. Não há notícias de brasileiros entre mortos ou desaparecidos.
 
Abi-Ackel informou que o governo libanês já mobilizou as autoridades e os serviços de inteligência para apuração do ocorrido, as causas e as responsabilidades. Ele ressaltou a bravura e o espírito de superação do povo libanês, "um país de 7 mil anos e uma capital que já foi destruída e reconstruída sete vezes".
 
A explosão aconteceu por volta das 18 horas locais (12h em Brasília) provocando a destruição de bairros inteiros. Ela foi tão forte que pode ser sentida na ilha de Chipre, a 200 quilômetros do porto de Beirute. As primeiras estimativas era de 100 mortos e mas de 4 mil feridos. 
 
O primeiro-ministro Hassan Diab decretou dia de luto nacional nesta quarta-feira e disse que as explosões foram causadas pela detonação de 2.750 toneladas de nitrato de amônia. Um sal usado na composição de alguns fertilizantes e também na fabricação de explosivos. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade