Publicidade

Estado de Minas

Chapecoense lança campanha na internet para arrecadar verba para pagar salários


postado em 15/07/2020 14:31

A Chapecoense, que provocou uma onda de solidariedade global após o acidente de avião que dizimou sua equipe em 2016, lançou uma campanha virtual para arrecadar fundos e pagar salários, depois de ser afetada pelo rebaixamento no Campeonato Brasileiro e pela pandemia de coronavírus.

"O objetivo desta arrecadação é que possamos honrar os compromissos com nossos funcionários. Acredito que juntos seremos mais fortes e estou convencido de que, com a colaboração de todos, venceremos outro momento difícil", afirmou o presidente da Chape, Paulo Magro, em comunicado divulgado pelo clube de Santa Catarina.

A iniciativa visa arrecadar 300.000 reais, com uma doação mínima de 10 reais. Para estimular seus torcedores, o clube oferecerá uma recompensa, dependendo do valor da contribuição.

"Quem doar 100 reais, por exemplo, ganhará uma caneca personalizada da Chapecoense. Os fãs que ajudarem com o valor de 1.000 reais receberão uma camisa oficial autografada e aqueles que contribuírem com 1.500 reais ganharão um ano de sócio com a equipe", garantiu o dirigente.

A Chapecoense gerou uma onda de solidariedade após o acidente de avião sofrido em novembro de 2016 na Colômbia, onde jogaria a final da Copa da Sul-Americana contra o Atlético Nacional.

Das 77 pessoas a bordo, 71 morreram, incluindo 19 jogadores e 14 da comissão técnica da equipe catarinense.

Após a catástrofe, o Atlético Nacional entregou a taça à Chapecoense, declarada campeã do torneio continental.

Várias equipes europeias - como Barcelona, Lyon e Roma - convidaram o time para jogos de solidariedade.

O clube conseguiu se reconstruir e permanecer mais dois anos na Série A do Brasileiro, mas em 2019 caiu para a Série B depois de terminar em penúltimo lugar.

Desde que subiu para a primeira divisão nacional em 2014, o time da cidade de Chapecó foi considerado um exemplo de gestão e administração, embora a situação tenha mudado após o acidente, em que também morreu seu presidente Sandro Pallaoro, o principal arquiteto da estruturação do clube.

Transferências que não se concretizaram, menor renda com direitos de televisão, constantes mudanças de técnico, queda no número de associados e indenizações às famílias das vítimas do acidente de avião reduziram o caixa do clube, que fechou 2019 com um déficit próximo a 25 milhões de reais.

A pandemia da COVID-19, que paralisou o futebol brasileiro, agravou a situação econômica do clube.

A partida entre a Chepe e o Avaí que seria disputada no domingo pasado pelo Campeonato Catarinense, foi suspenso após a detecção de casos de coronavírus no time de Chapecó.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade