Publicidade

Estado de Minas TRATAMENTO

COVID-19: Dexametasona 'salva vidas' de pacientes graves, diz OMS

Após seis meses do primeiro caso da doença, a organização determinou cinco novas diretrizes para os países enfrentarem a pandemia


postado em 29/06/2020 13:35 / atualizado em 29/06/2020 14:39

'dar oxigênio e dexametasona a pessoas com casos graves da COVID-19 salva vidas', afirmou Ghebreyesus(foto: Reprodução iStockphoto)
'dar oxigênio e dexametasona a pessoas com casos graves da COVID-19 salva vidas', afirmou Ghebreyesus (foto: Reprodução iStockphoto)

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou nesta segunda-feira, 29, que o corticoide dexametasona "salva vidas" de pacientes graves da COVID-19. Um dia antes de se completarem seis meses desde o primeiro caso relatado do novo coronavírus, a entidade estabeleceu cinco novas diretrizes para os países enfrentarem a pandemia. Em uma delas, intitulada "salvar vidas", Tedros citou o medicamento.


"Identificação precoce dos infectados e cuidados clínicos precoces salvam vidas. Dar oxigênio e dexametasona a pessoas com casos graves da COVID-19 salva vidas. Dar atenção aos grupos de risco, inclusive aos idosos e pessoas de cuidados prolongados, também salva vidas", afirmou o diretor.

O líder da organização comentou o ressurgimento de casos em países que reabriram a economia e ressaltou que muitas pessoas ainda estão suscetíveis à COVID-19. De acordo com o diretor, a pandemia ainda se estenderá por um longo período.

"Muitos países implementaram medidas nunca antes vistas para suprimir a transmissão e salvar vidas. Essas medidas tiveram sucesso, mas não interromperam completamente a doença. O vírus ainda tem muito espaço para se disseminar. Todos queremos o final disso. Todos queremos que a vida continue. Mas a dura realidade é: não estamos nem próximos do final. Embora vários países tenham progredido, globalmente a pandemia está acelerando", alertou.

Além do tópico sobre preservação de vidas, a OMS estipulou outras quatro orientações: empoderamento das comunidades, supressão da transmissão, aceleração das pesquisas e liderança política.

"Independentemente do estágio em que o país se encontra, essas cinco prioridades, se executadas consistentemente e coerentemente, podem fazer toda a diferença. A questão crítica que todos enfrentarão nos próximos meses é como conviver com esse vírus. Este é o novo normal", disse Tedros.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade