Publicidade

Estado de Minas

Plano de retorno de moradores à ilha de Páscoa, no Chile, gera polêmica


postado em 24/04/2020 18:25

Um plano de retorno dos moradores à remota Ilha de Páscoa, um território insular chileno situado em pleno oceano Pacífico, confrontou nesta sexta-feira (24) as autoridades da ilha com o governo central pela aplicação de testes rápidos para a detecção do coronavírus.

Após várias semanas de bloqueio dos acessos à ilha, a 3.500 km de distância do território chileno, 300 moradores que não haviam conseguido voltar chegaram ao aeroporto de Santiago para embarcar em voos que os levariam para casa.

Mas no aeroporto e por ordem do prefeito da ilha, Pedro Edmunds Paoa, foram submetidos a testes rápidos para detectar o coronavírus nos passageiros, que já tinham cumprido uma quarentena de 14 dias em Santiago. Dezoito pessoas testaram positivo e não puderam embarcar nos aviões.

As autoridades sanitárias desconheciam a decisão municipal.

"Não sabemos a marca dos testes; não sabemos quem os fez, não sabemos que autoridade tinha para fazê-lo e se produz o resultado paradoxal", disse à imprensa o ministro da Saúde, Jaime Mañalich.

O ministro acrescentou que funcionários da saúde pública foram enviados ao aeroporto para submeter os 18 passageiros ao teste nasal PCR, que é o único que o governo chileno reconhece como instrumento válido para detectar contágios por coronavírus.

O ministro Mañalich qualificou a situação como um "mal-entendido".

Estas pessoas "podiam viajar à Ilha de Páscoa porque já tinham completado sua quarentena sem ter apresentado sintomas, sem ter estado nunca doentes", afirmou o ministro.

Os demais passageiros puderam viajar, mas terão que fazer nova quarentena quando chegarem à ilha, onde se registraram menos de cinco casos.

Em resposta, o prefeito Edmunds manifestou que os passageiros viajavam para a ilha no âmbito de um plano de retorno, que contempla a coleta de amostras tanto no aeroporto de Santiago quanto no terminal aéreo da ilha.

"Nós idealizamos nosso próprio plano não para contrariar ou contradizer, mas para complementar o que a autoridade nacional está fazendo. Nosso plano contempla um não categórico a quem no aeroporto, através de um teste rápido, deem positivo", explicou Edmunds à emissora de notícias 24horas.

A turística Ilha de Páscoa, visitada anualmente por 100.000 turistas, fica totalmente isolada e seus cerca de 8.000 habitantes estão sob um confinamento absoluto.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade