Publicidade

Estado de Minas

Estudo mostra acerto da Islândia em massificar testes precoces de COVID-19


postado em 15/04/2020 15:55

A Islândia deu um exemplo de como antecipar a pandemia do COVID-19 testando mais pessoas do que qualquer outro país para a doença, ao iniciar os testes um mês antes de confirmar seu primeiro caso.

Em uma publicação divulgada na terça-feira no prestigiado New England Journal of Medicine, pesquisadores das universidades islandesas e a deCODE Genetics - uma subsidiária da gigante de biotecnologia Amgen - divulgaram os resultados de um programa de detecção geral lançado em 31 de janeiro. Ou seja, antes mesmo de a doença causada pelo vírus ter sido batizada COVID-19, e mais de um mês antes da pandemia global ter sido declarada.

O estudo incluiu dois testes. O primeiro, de 31 de janeiro, foi destinado a pessoas com sintomas de infecção por coronavírus; aqueles que viajaram para áreas de alto risco, inicialmente as regiões da China e dos Alpes da Áustria, Itália e Suíça; e pessoas que estiveram em contato com outras pessoas infectadas pelo vírus. No final de março, 13,3% das mais de 9.000 pessoas examinadas neste grupo apresentaram resultado positivo.

Na Islândia, o primeiro caso de infecção foi confirmado em 28 de fevereiro. Em uma segunda rodada de testes, iniciada em 13 de março, a deCODE Genetics analisou a população em geral sem sintomas de coronavírus ou com sintomas leves, como os de um resfriado comum e que não estavam em quarentena. Aqui, a proporção de casos positivos foi muito menor: entre 0,6% e 0,8%.

Até agora, a Islândia testou 36.000 pessoas, 10% da sua população. Isso o torna líder mundial em testes per capita, equivalente a 10 vezes mais que a Coreia do Sul, que tem sido elogiada em todo o mundo por agir rapidamente para avaliar sua população à medida que o vírus se espalha. O país asiático realizou 10 testes para cada 1.000 habitantes, de acordo com o site Our World in Data.

- Detecção de assintomáticos -

O programa agressivo de testes na Islândia aparentemente ajudou a conter a disseminação do vírus, permitindo que as autoridades de saúde detectassem pessoas infectadas e contagiosas que não apresentavam sintomas ou que pensavam que só estavam resfriadas ou gripadas.

Aqueles que tiveram resultado positivo tiveram que se isolar em casa por até 10 dias após a febre ter diminuído ou até que tivessem resultado negativo para o vírus. Também foi solicitada quarentena de duas semanas para todos os que estiveram em contato com eles.

Isso mostra que se as pessoas que acabaram sendo confirmadas casos de coronavírus não tivessem sido avaliadas, provavelmente não teriam sido colocadas em quarentena e infectado outras pessoas sem saber.

Ao contrário de outros países, a Islândia se absteve de fechar seus creches e escolas primárias. Escolas secundárias e universidades fecharam em 16 de março, seguidas por piscinas, estádios esportivos, cinemas, bares e restaurantes.

Até o momento, a Islândia detectou 1.720 casos do vírus, um número proporcionalmente maior em comparação aos países que avaliam apenas pessoas hospitalizadas. Mas sua taxa de mortalidade por coronavírus per capita de apenas oito pessoas é apenas um décimo daquela da França, por exemplo.

O governo islandês acredita que o pico da pandemia que está varrendo o mundo já passou e planeja reabrir escolas, universidades, museus e salões de beleza em 4 de maio.

O estudo resultou em outra descoberta interessante: 43% das pessoas que apresentaram resultado positivo tiveram nenhum ou nenhum sintoma no momento do teste. Isso fornece evidências adicionais de que muitos portadores do vírus são assintomáticos ou pré-sintomáticos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade