Publicidade

Estado de Minas

Trump mobiliza navio hospital para atender casos do novo coronavírus


postado em 18/03/2020 19:49

O governo americano mobilizará navios hospitais para lidar com a pandemia do novo coronavírus, anunciou nesta quarta-feira o presidente Donald Trump, que se definiu como "um presidente de guerra" e invocou uma lei que remonta ao conflito com a Coreia.

Enquanto os Estados Unidos e o Canadá anunciavam o fechamento de suas fronteiras ao tráfego não essencial, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, anunciou que Trump enviaria "um hospital navio" com mil leitos e salas de operações ao porto de Nova York, o USNS Comfort.

A decisão chega em um momento em que o país registra 115 mortes e 7.323 casos da Covid-19, segundo o último balanço da Universidade Johns Hopkins.

A bolsa de Wall Street sofreu fortes perdas depois que o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, mencionou a possibilidade de a taxa de desemprego subir para 20%, enquanto Trump tentava aplacar os temores.

Cuomo disse que Trump "enviará" imediatamente o navio para Nova York, o estado mais infectado pela doença, mas não soube informar quando a embarcação navio militar chegaria.

"Ficará no porto da cidade de Nova York. Essa é uma medida extraordinária. É literalmente um hospital flutuante, que aumentará a capacidade" dos leitos hospitalares, acrescentou.

Cuomo informou que os cinco distritos da cidade de Nova York têm mais de 1.330 casos, centenas a mais que a última atualização.

O estado de Nova York tem o maior número de casos de coronavírus no país, 2.300, seguido pelos estados de Washington e Califórnia. O último balanço de mortos é de 20 no estado de Nova York.

- "Inimigo invisível" -

"Esta é uma guerra e estamos na mesma trincheira", disse Cuomo sobre a pandemia que infectou mais de 200.000 pessoas em todo o mundo e já matou mais de 8.000, de acordo com um balanço da AFP baseado em com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e dos governos nacionais.

Trump "está totalmente comprometido em tentar ajudar Nova York. Ele está sendo muito criativo e muito enérgico", disse Cuomo em um raro elogio do presidente, inicialmente criticado por minimizar a pandemia.

Em sua entrevista coletiva diária sobre o coronavírus na Casa Branca, Trump fez um discurso semelhante. "Eu me vejo como presidente em tempos de guerra, e é com isso que estamos lutando. É uma situação muito difícil", afirmou.

Trump garantiu que os Estados Unidos "derrotarão o inimigo invisível" e "será uma vitória completa".

O presidente disse a jornalistas que, além do USNS Comfort, ele implantará o navio hospital Mercy.

O porta-voz da Marinha Samuel Boyle disse que os navios não cuidarão diretamente dos pacientes com o vírus, mas ajudarão outros pacientes em locais costeiros, onde a equuipe médica deverá se concentrar na pandemia.

Uma fonte do Departamento de Defesa disse à AFP que o navio Comfort levará "algumas semanas, não dias" para chegar a Nova York.

Trump também invocou a Lei de Defesa da Produção, assinada em 1950 durante a Guerra da Coreia, que permite ao governo obrigar as empresas a assinar contratos e, assim, expandir a produção.

Espera-se que a lei ajude a acelerar a produção de máscaras de proteção e outros equipamentos para o pessoal médico.

A agência dos EUA que regula alimentos e medicamentos, a Food and Drug Administration, planeja lançar kits para os cidadãos façam o teste do coronavírus, emqiamtp o vice-presidente Mike Pence pediu aos hospitais que adiem cirurgias que não sejam urgentes.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade