Publicidade

Estado de Minas

Trump substitui chefe de inteligência após relatos sobre interferência russa


postado em 21/02/2020 06:31

O presidente americano Donald Trump substituiu na quinta-feira o chefe de inteligência, em meio a relatos que citam que a fúria do chefe de Estado contra o funcionário explodiu após uma sessão com congressistas sobre a suposta intenção da Rússia de interferir nas eleições deste ano a favor do presidente.

Trump se revoltou contra o agora ex-diretor interino de inteligência nacional (DNI) Joseph Maguire ao ficar sabendo da sessão de 13 de fevereiro do Comitê de Inteligência da Câmara de Representantes - de maioria democrata -, informou a imprensa.

Não está claro se Trump rejeitou algum ponto específico das explicações ao Comitê, onde, segundo relatos, Shelby Pierson, assistente de Maguire, disse aos congressistas que a Rússia estava interferindo mais uma vez nas eleições americanas para favorecer o presidente, que já foi alvo de acusações de interferência favorável de Moscou na eleição de 2016.

O presidente ficou irritado com a presença de Adam Schiff, o representante democrata que comandou a investigação que resultou nas acusações de abuso de poder e obstrução do trabalho do Congresso contra Trump no processo de julgamento político, informou o jornal The New York Times.

O presidente repreendeu Maguire em uma discussão no Salão Oval na semana passada pela "deslealdade" de sua equipe, de acordo com o Washington Post, frustrando efetivamente suas possibilidades de ser ratificado de forma permanente no cargo.

Havia uma irritação que foi o "catalisador" do afastamento de Maguire, afirmou o Post, que citou uma fonte não identificada.

Trump foi acusado em dezembro de tentar forçar a Ucrânia a investigar aquele que era apontado na época como seu principal rival nas eleições de 2020, o ex-vice-presidente Joe Biden, para obter benefícios políticos. Para conseguir o que desejava, o republicano teria bloqueado ajuda militar considerada vital para a ex-república soviética em sua guerra com a Rússia.

O congressista democrata Bennie Thompson disse que ao demitir Maguire por sua sessão informativa na Câmara "o presidente não apenas se recusa a se defender da interferência estrangeira, mas a está convidando" a ser concretizada.

- Defesa do substituto -

A Casa Branca insistiu na quinta-feira que o novo chefe da inteligência americana, Richard Grenell, realizará seu trabalho de forma imparcial, diante da indignação dos democratas, que protestaram com a nomeação de um partidário do presidente Donald Trump para o cargo crucial.

Grenell, ex-embaixador dos Estados Unidos na Alemanha, que irritou o aliado europeu por suas críticas ao governo local, foi nomeado na quarta-feira diretor interino da Inteligência nacional, substituindo Maguire.

Sem experiência anterior nesta área, ele vai supervisionar 17 agências, entre elas a CIA, após uma série de confrontos entre Trump e profissionais do setor sobre a interferência russa na campanha eleitoral de 2016 e supostas intenções similares de Moscou para 2020.

Grenell "está comprometido com uma abordagem apolítica, imparcial, como chefe da Comunidade de Inteligência, da qual depende nossa segurança", disse em nota a secretária de imprensa da Casa Branca, Stephanie Grisham.

Comentarista na imprensa há muitos anos e ex-porta-voz dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Grenell será o primeiro funcionário abertamente gay em um gabinete do governo nos Estados Unidos.

Como salvo-conduto para esta nomeação, Trump o designou diretor interino, permitindo sua atuação por 210 dias sem a necessidade de aprovação do Senado. Essa é a segunda vez consecutiva que o milionário republicano recorre a esta estratégia para o cargo.

O senador democrata Ron Wyden acusou Trump em um comunicado de priorizar a "obediência" incondicional sobre a "segurança do povo americano".

Grenell saudou o surgimento de populismos de direita na Europa e elogiou o chanceler ultraconservador austríaco Sebastian Kurz, a quem descreveu como "uma estrela do rock".

O novo diretor também expressou dúvidas sobre a interferência russa na campanha eleitoral 2016, algo que segundo as conclusões da comunidade de inteligência aconteceu e incluiu a manipulação das redes sociais para favorecer Trump sobre sua rival Hillary Clinton.


Publicidade