Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

Defesa de Trump diz que relação com Ucrânia era de interesse nacional


postado em 25/01/2020 16:30

A defesa do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que a relação do presidente norte-americano com a Ucrânia era de interesse nacional. A equipe jurídica também acusou os parlamentares democratas de não defenderem o afastamento do presidente do cargo. As declarações foram concedidas em sessão de julgamento do processo de impeachment de Trump no Senado americano.

O presidente norte-americano é acusado de ter pressionado o mandatário ucraniano, Volodymyr Zelenski, a investigar seu rival político Joe Biden, que é pré-candidato do Partido Democrata à Presidência dos EUA nas eleições deste ano. Donald Trump nega as irregularidades e classifica a investigação de impeachment como uma farsa politicamente motivada. Ele disse que está ansioso para ver sua equipe montar uma defesa forte.

A sessão de hoje, que deve durar de duas a três horas, é a primeira em que a defesa do presidente pode se dirigir ao Senado. O julgamento teve início na última terça-feira (21) e se estendeu com três dias consecutivos de discussões dos parlamentares.

Os democratas tentaram defender que Trump abusou do poder de seu cargo ao pedir a um líder estrangeiro que investigasse um rival político e obstruiu a investigação de impeachment do Congresso. "Eles estão pedindo que você não apenas anule os resultados da última eleição ... eles estão pedindo que você retire o presidente Trump da cédula em uma eleição que ocorre em aproximadamente nove meses", disse Pat Cipollone, advogado da Casa Branca, aos senadores, na abertura da sessão.

Os argumentos da equipe de defesa serão retomados na segunda-feira (27). Mas, diferentemente dos democratas, que usaram quase 24 horas por três dias, a equipe do presidente deve usar cerca de oito horas do tempo previsto, disse uma autoridade do governo.

A sessão deste sábado concentrou-se principalmente na transcrição da ligação telefônica do presidente em 25 de julho com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, na qual ele pediu a seu colega que investigasse o democrata Joe Biden e seu filho, bem como na suposta interferência da Ucrânia nas eleições de 2016 nos EUA. Trump encomendou quase US$ 400 milhões em ajuda à Ucrânia, congelados mais de uma semana antes dessa ligação.

Os advogados de Trump argumentaram que a transcrição mostra que o presidente não condicionou explicitamente a ajuda à Ucrânia nas investigações solicitadas, e que Zelensky concordou repetidamente com o presidente na chamada. Os advogados também observaram as declarações públicas de Zelensky de que ele não se sentia pressionado por Trump.

Embora Trump não tenha explicitamente apresentado ajuda, Zelensky disse que seu país queria encomendar mais mísseis Javelin dos EUA, aos quais Trump respondeu: "Gostaria que você nos fizesse um favor". Na época da ligação, Zelensky havia sido informado por vários funcionários do governo e pessoas próximas ao presidente que ele precisava garantir a Trump que estava disposto a realizar as investigações que procurava, se quisesse uma reunião na Casa Branca.

Como o risco de condenação do presidente no Senado é praticamente zero, já que a casa é controlada pelos seus pares republicanos, a principal tarefa da equipe jurídica do presidente é dissuadir os senadores republicanos de votar a favor de ouvir mais testemunhas. Nos últimos dias, os democratas tentaram convencer a Câmara da necessidade de ouvir testemunhas cujo testemunho a Casa Branca bloqueou durante a investigação da Casa, entre elas Mick Mulvaney, chefe de gabinete da Casa Branca e ex-conselheiro de segurança nacional John Bolton. Para mais testemunhas serem ouvidas, 51 parlamentares precisam aprovar a moção.

A defesa de Trump planeja também atacar o filho de Joe Biden, Hunter Biden, como corrupto por servir no conselho da empresa de gás ucraniana Burisma Holdings, enquanto seu pai, como vice-presidente, supervisionava os esforços dos EUA para combater a corrupção na Ucrânia. Os Bidens negaram irregularidades. Fonte: Dow Jones Newswires


Publicidade