Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

Trump usa raiva contra impeachment para impulsionar campanha à reeleição


postado em 22/12/2019 11:35

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está usando o impeachment, aprovado na Câmara dos Representantes, a seu favor, fortalecendo a retórica do "nós contra eles". Em plena campanha para sua reeleição, Trump começou a enquadrar seu impeachment não como o julgamento de seu comportamento, mas como um referendo sobre como seus apoiadores o consideram.

Logo após a aprovação do processo que tentar tirar Trump da Casa Branca, um tuíte do republicano deixava bem claro que ele usaria todas as ferramentas necessárias para transformar as manchetes negativas em combustível para sua campanha. "Na realidade, eles não estão atrás de mim. Eles estão atrás de você ", dizia o texto com uma foro de Trump apontando para o leitor. "Estou apenas no caminho", reforçava o slogan.

Quase certo que será absolvido no julgamento do próximo ano pelo Senado controlado pelos republicanos, Trump que usar as acusações para impulsioná-lo em 2020. Sua campanha acredita que a raiva pelo impeachment pode ser a motivação necessária para atrair os eleitores que ficaram em casa nas eleições de 2016, mas aprovam o presidente e estão cansados do establishment de Washington.

"Depois de três anos de sinistras caçadas às bruxas, trotes, fraudes", gritou Trump durante um comício na noite do impeachment em Michigan, "os democratas da Câmara estão tentando anular as cédulas de dezenas de milhões de americanos patrióticos".

Trump está pronto para se apoiar novamente nas divisões extremas na política para retratar sua campanha como um movimento sob ataque.

Os aliados de Trump na Câmara chegaram a um acordo semelhante durante o debate sobre o impeachment, quando vários parlamentares republicanos criticaram a palavra "ódio", declarando que os democratas desprezavam o presidente e sua base. A presidente da Câmara dos Deputados Nancy Pelosi, da Califórnia, havia se esforçado no início para dizer que não "odeia" Trump.

Como parlamentares e Trump já deixaram Washington para as festas de fim de ano, o momento e os detalhes do julgamento no Senado permaneceram em dúvida. Pelosi disse que atrasando segurando o envio dos dois artigos de impeachment para o Senado até que ela tivesse mais informações sobre como seriam os procedimentos do julgamento. Mesmo com a esperada absolvição no Senado, Trump seria o primeiro presidente a concorrer à reeleição após o impeachment.

Funcionários da campanha Trump dizem ter visto saltos na arrecadação de fundos, voluntários e participação em manifestações desde o início do inquérito de impeachment.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade