Publicidade

Estado de Minas

Centro de migrantes em Madri é evacuado por causa de explosivo


postado em 04/12/2019 11:31

Um centro juvenil que abriga migrantes em Madri usado pela extrema direita para vincular a migração a um suposto aumento da violência foi evacuado nesta quarta-feira quando uma granada foi encontrada, informou a polícia.

"Era uma granada de mão de treinamento com pouca carga dentro, que aparentemente poderia ter sido lançada do lado de fora em uma sacola plástica", informou um porta-voz da Polícia Nacional.

A polícia recebeu o alerta e as primeiras patrulhas isolaram o local e evacuaram os internos do centro de recepção de menores, incluindo migrantes desacompanhados, localizados no bairro de Hortaleza, informou o porta-voz.

Em seguida, "esperaram a chegada de cães farejadores e dos agentes do Tedax (corpo especializado em explosivos) para fazer a detonação controlada", apontou a fonte, acrescentando que a origem da granada é investigada.

Esse centro juvenil ganhou notoriedade quando o líder do partido de extrema direita Vox, Santiago Abascal, o usou durante um debate televisionado antes das legislativas de 10 de novembro como exemplo para tentar associar a migração ao crime.

O Vox, partido ultra-nacionalista que chegou a exigir a expulsão de todos os menores estrangeiros desacompanhados, obteve o terceiro lugar nas eleições com 52 deputados no Parlamento.

Suas informações falsas ou manipuladas sobre migração provocaram a indignação da Defensoria Pública espanhola, que denunciou a multiplicação de "mensagens racistas" que justificariam ataques contra menores estrangeiros.

O partido de esquerda Más País denunciou ataques a vários menores desacompanhados nos últimos dias na capital espanhola.

"Essas crianças não precisam de mais violência, já sofreram o suficiente em suas vidas. Parem de semear o ódio contra elas. O ódio se espalha e não pode ser controlado", tuitou Ione Belarra, líder do Podemos, partido de esquerda radical que negocia para formar um governo de coalizão com os socialistas de Pedro Sánchez.


Publicidade