Publicidade

Estado de Minas

Mundo se mobiliza antes da cúpula da ONU sobre clima


postado em 29/11/2019 22:37

Dezenas de milhares de manifestantes protestaram nesta sexta-feira (29) contra as mudanças climáticas na Europa, Ásia e América, em um novo dia de mobilização global antes da cúpula da ONU, que se anuncia tensa.

Cerca de 630.000 pessoas se manifestaram em mais de 500 cidades da Alemanha, anunciou o movimento Fridays for Future, inspirado pela jovem sueca Greta Thunberg.

Com cartazes que proclamam "Um planeta, uma luta" ou "Estamos em greve até vocês agirem", milhares de jovens se reuniram no emblemático Portão de Brandeburgo de Berlim.

Em Hamburgo, uma cidade do norte, cerca de 30.000 manifestantes lançaram o alarme contra o aquecimento global, enquanto em Munique, no sul, eram cerca de 17.000, segundo a polícia.

Também foram realizadas outras ações na Europa, embora menores que a última mobilização mundial, em setembro passado.

Cerca de 1.700 pessoas se manifestaram em Madri, onde será realizada na semana que vem uma reunião de 12 dias das Nações Unidas sobre o clima, a COP25.

O objetivo da cúpula é animar os governos a intensificarem seus esforços em termos de luta contra a mudança climática.

Na França, os militantes concentraram sua ira contra as liquidações da Black Friday, bloqueando centros de distribuição da Amazon em Paris, Lyon e Lille.

Nos Estados Unidos, dezenas de ativistas se reuniram diante do Capitólio para celebrar um funeral simbólico do planeta.

O protesto contou com a participação da atriz Jane Fonda, detida em várias ocasiões nas últimas semanas durante manifestações contra o aquecimento global.

Em Montreal, grupos ambientalistas protestaram e distribuíram roupas usadas para denunciar o consumismo da "Black Friday" e seus efeitos sobre o meio ambiente.

No México, estudantes ocuparam as ruas aos gritos de "Nem um grau a mais, nem uma espécie a menos" e "Não há planeta B".

- Fumaça tóxica -

Nesta sexta-feira, Sydney deu início às manifestações mundiais, apesar de que a metrópole australiana estava envolvida em uma espessa nuvem de fumaça tóxica relacionada com os incêndios que atingem a costa oriental do país.

Os manifestantes se reuniram em Sydney em frente à sede do partido conservador no poder, acusado de subestimar a ameaça do aquecimento global. Agitavam faixas que diziam "Você queima o nosso futuro", enquanto gritavam "Vamos nos levantar".

Centenas de incêndios florestais devastaram os estados australianos de Nova Gales do Sul (sudeste) e Queensland (nordeste).

Também houve protestos em Tóquio, onde centenas de pessoas marcharam pelo distrito de Shinjuku.

"Sinto uma sensação de crise porque quase ninguém no Japão está interessado" na questão das mudanças climáticas, disse Mio Ishida, um estudante de 19 anos.

"Fiquei muito inspirado pelas ações de Greta. Pensei que se não agisse agora, seria tarde demais. Queria fazer algo concreto", ressaltou.

Em Nova Délhi, a capital mais poluída do mundo, cerca de 50 estudantes realizaram uma marcha até o Ministério do Meio Ambiente, carregando cartazes e cantando slogans exigindo que o governo declare emergência climática.

"Trata-se de fazer algo pelo que você acredita", explica Saumya Chowdhury, de 23 anos.

"Queremos que o governo o reconheça e discuta esse assunto com o povo".

A Índia é uma das maiores fontes de gases de efeito estufa e possui 14 das 15 cidades mais poluídas do mundo, segundo um estudo das Nações Unidas.

No mês passado, milhões de pessoas protestaram em todo o mundo em resposta a um pedido de greve climática.


Publicidade