Publicidade

Estado de Minas

Violentas 'evasões em massa' no metrô tumultuam Santiago


postado em 18/10/2019 20:31

O metrô de Santiago foi alvo de uma série "evasões em massa" nesta sexta-feira (18), em protesto pelo aumento dos preços.

A empresa informou que a totalidade do Metrô de Santiago, que transporta cerca de três milhões de passageiros por dia, deixou de operar nesta tarde após ataques contra o aumento de tarifas.

"Toda a rede de Metrô se encontra fechada por distúrbios e destroços que impedem contar com as condições mínimas de segurança para passageiros e trabalhadores", anunciou a ferroviária metropolitana por meio de uma mensagem no Twitter.

Recrutados nas redes sociais sob o lema #EvasionMasivaTodoElDia, milhares de pessoas - principalmente estudantes - se organizaram ao longo desta semana para derrubar os portões das estações, destruir as catracas e passar pelos controles de acesso para protestar pelo aumento das passagens (3,75%) nos horários de pico.

Na tarde desta sexta-feira, os protestos - que não têm um líder aparente - já haviam paralisado as operações nas linhas 1 e 2, que cruzam o centro de Santiago, a linha 6 e dezenas de estações em outras rotas.

O fechamento forçou os usuários do metrô a subirem à superfície, sobrecarregando o sistema de ônibus da cidade e tendo que caminhar pelas ruas para suas casas, evitando conflitos entre a polícia e os manifestantes.

Na estação de La Moneda, em frente à sede do governo, dezenas de manifestantes - na maioria jovens - depredaram instalações no início da tarde. A polícia respondeu com jatos d'água e bombas de gás lacrimogêneo.

Horas mais tarde, os protestos aumentaram, geraram incidentes maiores, com manifestantes atirando paus e pedras em direção às forças policiais, que reagiram com o uso de carros de choque. A sede do governo foi cercada por um perímetro de segurança.

Na quinta-feira, os protestos deixaram 133 presos após ações simultâneas em pelo menos cinco das 164 estações da ferroviária metropolitana, com danos calculados pela empresa estatal entre 400 e 500 milhões de pesos, o equivalente a cerca de 634.000 dólares.

Com base no aumento do preço do petróleo, no dólar e na modernização do sistema, o valor do bilhete do metrô de Santiago nos horários de pico - de manhã e à tarde - subiu para de 830 pesos (cerca de US$ 1,17). Desde 2010, não havia um aumento dessa proporção.

O aumento não afetou o valor das passagens para estudantes e idosos, mas se soma ao aumento geral de 20 pesos nas tarifas decretadas em janeiro passado.


Publicidade