Publicidade

Estado de Minas

Reguladora dos EUA acusa Boeing de ocultar informação sensível sobre 737 MAX


postado em 18/10/2019 16:07

A Agência Federal de Aviação (FAA) dos Estados Unidos acusou nesta sexta-feira (18) a Boeing de ocultar documentos importantes vinculados ao 737 MAX, desabilitado para voar há sete meses após dois acidentes que deixaram 346 mortos.

Segundo a FAA, a Boeing descobriu meses atrás as mensagens trocadas por dois funcionários da empresa sobre o processo de certificação da aeronave, em 2016, mas não revelaram sua existência até a última quinta-feira.

"Na última noite (quinta-feira), revi um documento preocupante que a Boeing forneceu ontem (quinta-feira) no último minuto ao Departamento de Transportes", disse Steve Dickson, administrador da FAA, em uma carta ao chefe da Boeing, Dennis Muilenburg.

"Entendo que a Boeing descobriu o documento em seus arquivos meses atrás. Aguardo sua explicação imediata sobre o conteúdo deste documento e o atraso da Boeing em informar os reguladores de segurança sobre sua existência", acrescentou.

Segundo uma fonte próxima ao caso, os funcionários mencionam em suas trocas de mensagens que a Boeing entregou à FAA informações enganosas sobre um importante software 737 MAX.

Em uma conversa que remonta a 2016 entre dois pilotos da Boeing, fica claro que o sistema automático que deveria impedir o colapso do 737 MAX dificultava a pilotagem do avião em um simulador.

No documento, entregue pela empresa a uma comissão parlamentar de inquérito, Mark Forkner, que na época era piloto da Boeing, diz a um colega que o MCAS - o sistema que seria questionado após dois acidentes que deixaram 346 mortos - "descarrila no sim" (simulador, ndr).

Contatada pela AFP, a Boeing não respondeu imediatamente ao pedido de comentário.


Publicidade