Publicidade

Estado de Minas

Acordo com talibãs deve assegurar que Afeganistão não acolherá extremistas


postado em 28/08/2019 20:43

O acordo que vem sendo discutido entre Estados Unidos e os talibãs sobre a retirada das tropas americanas do Afeganistão deve garantir que esse país não se torne "um santuário" para os extremistas, afirmou nesta quarta-feira o chefe do Estado-Maior dos EUA, Joseph Dunford.

"Não estou usando a palavra 'retirada' por enquanto, digo que vamos nos assegurar que o Afeganistão não seja um santuário, e vamos tentar fazer um esforço para levar paz e estabilidade ao Afeganistão", afirmou Dunford em entrevista no Pentágono.

Qualquer acordo estará "baseado em condições", disse Dunford, avaliando ser prematuro falar como seria uma força antiterrorista americana no Afeganistão.

Washington e os talibãs, em guerra há 18 anos, negociam em Doha os últimos detalhes do acordo histórico que prevê garantias de segurança por parte dos talibãs em troca da retirada de uma grande parte dos 13 mil soldados americanos no Afeganistão.

O secretário de Defesa, Mark Esper, reafirmou que um acordo com os talibãs deve garantir que o Afeganistão "já não seja um refúgio seguro para que os terroristas ataquem os Estados Unidos".

O porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid, declarou que "um acordo está perto". "Esperamos trazer em breve boas notícias para nossa nação muçulmana que busca a liberdade".

Os líderes rebeldes se reuniram em um local não revelado na fronteira entre Afeganistão e Paquistão para revisar o acordo proposto, disse à AFP um comandante talibã no Paquistão.

"Todos os membros da Shura receberam uma cópia e a estão lendo cuidadosamente, mas não há qualquer sinal de avanço na equipe talibã em Doha. Isto deve exigir um ou dois dias, já que os líderes talibãs devem consultar todos os comandantes".

Um cessar-fogo entre rebeldes e tropas americanas ou ao menos uma "redução da violência" deve figurar no documento.

Os EUA esperam um acordo de paz antes de 1º de setembro, prévio às eleições afegãs previstas para o mesmo mês.

As tropas americanas invadiram o Afeganistão para tirar os talibãs do poder após os atentados de 11 de setembro de 2001.


Publicidade