Publicidade

Estado de Minas

Canadá insiste em incluir Cuba a negociação sobre Venezuela


postado em 28/08/2019 19:13

O Canadá realizou nesta quarta-feira sua terceira tentativa de incorporar Cuba a uma solução negociada da crise venezuelana, em um novo encontro entre os chanceleres Chrystia Freelanda e Bruno Rodríguez em Havana.

"Debate útil com meu homólogo cubano Bruno Rodríguez Parrilla em Havana sobre os laços entre o Canadá e Cuba, a crise na Venezuela e o apoio às empresas canadenses que operam em Cuba", escreveu Freeland no Twitter ao fim da reunião.

A ministra de Relações Exteriores canadense já tinha antecipado que o encontro permitiria ampliar as discussões sobre a possibilidade de Cuba desempenhar um "papel positivo" na busca por uma solução pacífica à situação em Caracas.

Mais cedo, Rodríguez tinha dito no Twitter que a reunião serviria para revisar "o estado das relações bilaterais" e trocar "sobre temas de interesse mútuo da agenda hemisférica e internacional".

Esta é a segunda viagem de Freeland a Cuba em 2019. Em maio, ela visitou a ilha com uma agenda similar. Rodríguez devolveu a visita em junho.

Cuba é um dos aliados mais firmes do presidente venezuelano Nicolás Maduro, que se mantém no poder apesar da pressão internacional liderada por Washington.

O Canadá tem um papel relevante no Grupo de Lima, bloco de países do continente americano que busca uma solução para a crise venezuelana e que não tem os Estados Unidos como membro.

Ottawa não reconhece o mandato de Maduro por considerá-lo resultado de eleições fraudulentas e apoia, junto dos Estados Unidos e de cerca de 50 países, o líder opositor e chefe parlamentar Juan Guaidó, que em janeiro se declarou presidente interino.

Havana respalda Maduro, importante aliado político e econômico, incondicionalmente.

A Venezuela é o principal fornecedor de petróleo de Cuba e 20.000 médicos cubanos trabalham no país - uma importante fonte de receita para a ilha.

"Achamos que é importante explorar todos os caminhos possíveis para uma resolução da situação (na Venezuela)", disse Freeland em coletiva de imprensa conjunta com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em visita a Ottawa na semana passada.


Publicidade