Publicidade

Estado de Minas

Novo processo é aberto contra herdeiros e cúmplices de Epstein


postado em 16/08/2019 15:11

Um novo processo civil foi apresentado contra os herdeiros de Jeffrey Epstein e seus cúmplices por suas mulheres supostamente abusadas pelo investidor há 15 anos, que reclamam 100 milhões de dólares por perdas e danos.

A denúncia, apresentada ao tribunal federal de Manhattan, não identifica as duas supostos vítimas, nem as cerca de dez mulheres acusadas de ter ajudado o bilionário, que morreu no sábado, na prisão.

A idade das demandantes não está documentada, mas sua advogada, Lisa Bloom, disse em um comunicado nesta sexta que tinha 18 e 20 anos no momento dos fatos.

Ambas trabalhavam como anfitriãs no mesmo restaurante de Manhattan quando foram contactadas, em junho de 2004, por uma suposta funcionária de Epstein.

Ela ofereceu-lhes centenas de dólares para ir à casa de Epstein e fazer massagem.

A "intermediária" tinha assegurado às duas jovens, que careciam de meios financeiros e buscavam trabalho como modelos, que as massagens não envolveriam contato sexual.

Ambas foram à luxuosa residência de Epstein perto do Central Park com dois dias de intervalo. Na "sala de massagens" o magnata teria abusado sexualmente, antes de pagá-las centenas de dólares.

A denúncia de oito páginas, amparada em uma lei federal sobre a exploração sexual, afirma que as duas mulheres estavam tão "aterrorizadas" por Epstein e seu poder que descartaram denunciar o ocorrido.

Esta ação judicial se soma a outra iniciada na quarta ante o tribunal do estado de Nova York contra os herdeiros de Epstein e sua namorada e sua suposta cúmplice, Ghislaine Maxwell.


Publicidade