Publicidade

Estado de Minas

Autópsia de Epstein mostra fraturas no pescoço, segundo imprensa dos EUA


postado em 15/08/2019 20:07

A autópsia do corpo do investidor Jeffrey Epstein revelou fraturas nos ossos do pescoço, informaram nesta quinta-feira vários veículos americanos. O instituto forense de Nova York avaliou que são necessários mais exames para determinar a causa de sua morte.

De acordo com fontes anônimas citadas pelo Washington Post e pelo New York Times, a autópsia do investidor de 66 anos, encontrado morto em uma prisão de Nova York no sábado, mostrou uma fratura do osso hioide, perto da porca.

Especialistas citados pela imprensa explicaram que essa fratura pode se dever a um suicídio por enforcamento, sobretudo em pessoas muito grandes, como Epstein, ou a um estrangulamento. Isto não permite, portanto, confirmar se o bilionário tirou a própria vida, ou não.

O instituto forense nova-iorquino não confirmou nenhuma dessas informações, e disse que ainda era muito cedo para determinar a causa da morte de Epstein.

"Em todas as investigações judiciais, todas as informações devem sintetizar para determinar a causa e a forma como ocorreu a morte", indicou em um comunicado. "Tudo deve ser coerente. Nenhum elemento pode ser avaliado sozinho".

Epstein foi preso após ser acusado de organizar uma rede de menores de idade das quais abusou sexualmente. Sua morte, em uma prisão considerada muito segura, despertou dúvidas e teorias da conspiração.

Muitas pessoas insinuaram que ele foi assassinado para proteger a identidade de conhecidos poderosos.

O secretário americano de Justiça, William Barr, que neste sábado classificou a morte de Epstein de "aparente suicídio", lançou duas investigações e denunciou "graves irregularidades" na prisão.

Na terça, Barr anunciou a suspensão dos dois guardas que deveriam vigiar Epstein e a transferência temporária do diretor da prisão, sem detalhar a natureza das irregularidades.


Publicidade