Publicidade

Estado de Minas CONFRONTO

Polícia prende centenas em protesto por eleições livres em Moscou

As forças de segurança fizeram enormes prisões entre os participantes que chegavam à principal avenida da cidade aos gritos de "Vergonha" e "Queremos eleições livres"


postado em 27/07/2019 11:43 / atualizado em 27/07/2019 12:56

(foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)
(foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)

A polícia russa prendeu mais de 500 pessoas que estavam reunidas em Moscou neste sábado (27) para pedir eleições locais livres e justas, apesar do aumento da pressão contra a oposição nos últimos dias. As forças de segurança fizeram enormes prisões entre os participantes que chegavam à principal avenida de Moscou aos gritos de "Vergonha" e "Queremos eleições livres", fazendo eles recuarem para ruas adjacentes.


Esta concentração não autorizada em frente à prefeitura da capital ocorre menos de uma semana após uma manifestação sem precedentes desde o movimento quando Vladimir Putin voltou ao Kremlin.


A oposição denuncia a proibição de candidaturas independentes para as eleições locais, que aparentemente serão difíceis para os candidatos governistas.


A AFP viu dezenas de pessoas serem presas antes mesmo do protesto começar. A ONG OVD-Info, especializada no acompanhamento de manifestações, contabilizou 561 prisões na primeira hora de protesto.


"Tive medo minha vida toda, mas agora já chega. Se ficamos em casa, nada vai mudar", declarou à AFP Elena Rastovka, aposentada de 68 anos. "A última vez que vi tanta pressão, prisões e registros, foi durante as manifestações de 2012", disse Alexei Sprojitski, de 42 anos.


Diversos opositores foram presos antes do protesto, como Ilia Yashin, Liubov Sobol e Dmitri Gudkov, que na noite de sexta afirmou que a questão ia além das eleições locais. "Trata-se de saber se, na Rússia atual, é possível fazer política legalmente", declarou.


As casas e gabinetes de vários candidatos impedidos foram alvo de operações de busca e apreensão e, na quarta-feira, o principal opositor do Kremlin, Alexei Navalni, foi condenado a 30 dias de prisão por violar "regras das manifestações".


Repressão enorme


Essas ações judiciais ocorrem após a abertura de uma investigação de "obstaculização do trabalho da Comissão Eleitoral" de Moscou, devido às manifestações de meados deste mês.


Elas podem gerar penas de até cinco anos de prisão, o que traz à memória as condenações pesadas durante o movimento de 2011-2012 contra a volta de Vladimir Putin à presidência.


A ONG Anistia Internacional, que teme uma "repressão enorme em breve", criticou uma "tentativa aberta e descarada das autoridades russas de intimidar a oposição".


Antes da manifestação no sábado, a polícia de Moscou emitiu uma advertência aos cidadãos e propôs que jornalistas cobrindo o evento se identificassem, um acontecimento inédito que antecipava as numerosas prisões.


O registro de cerca de 60 candidaturas às eleições do Parlamento de Moscou foi rejeitado, oficialmente por causa de erros na coleta das assinaturas de apoio necessárias.


Os candidatos independentes excluídos denunciaram irregularidades fraudulentas e acusaram o prefeito Sergey Sobianin, alinhado ao governo central, de querer sufocar a oposição.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade