Publicidade

Estado de Minas

Não Alinhados exigem aos EUA fim das sanções contra Venezuela e outros países


postado em 21/07/2019 21:26

O Movimento dos Países Não Alinhados (MNOAL) exigiu neste domingo a suspensão de sanções econômicas unilaterais, em uma declaração aprovada durante a reunião ministerial do bloco em Caracas, marcada por constantes críticas aos Estados Unidos e suas políticas em relação a Venezuela, Cuba, Irã e Síria.

O MNOAL, integrado por 120 países, rejeitou o "unilateralismo" e as "medidas adotadas unilateralmente por certos Estados, que podem levar à erosão e à violação da Carta das Nações Unidas, da lei internacional e dos direitos humanos".

Também condenou "o uso ou ameaça do uso da força", segundo a Declaração Política de Caracas.

O texto não menciona expressamente os Estados Unidos, mas o chanceler iraniano, Mohamad Javad Zarif, havia acusado no sábado Washington de "aventureirismo unilateral" e "terrorismo econômico".

"São meios de agressão, dirigidos aos civis para conseguir objetivos políticos (...), isto é terrorismo, terrorismo puro e simples", insistiu Zarif neste domingo.

O documento aprovado no encontro, que começou no sábado e terminou no domingo, pede a "revogação" das medidas "completamente e imediatamente".

O governo de Donald Trump intensificou suas sanções contra a Venezuela, incluindo um embargo petroleiro que entrou em vigência em abril passado, em sua pressão contra o governo de Nicolás Maduro, que qualifica de "ditadura".

As relações entre Washington e Teerã se deterioraram aceleradamente desde que Trump decidiu, em maio de 2018, retirar os Estados Unidos do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano, assinado em 2015, e reativar medidas contra o Irã.

Durante os debates do MNOAL (fundado na década de 1970 como alternativa à Guerra Fria entre Estados Unidos e a extinta União Soviética) foi citado um projeto de acordo referido especificamente a Venezuela, no qual se pede "a suspensão imediata" das sanções americanas.

Lido pelo chanceler da Bolívia, Diego Pary, chama a "promover" iniciativas de diálogo ante a crise venezuelana, em meio aos contatos iniciados por delegados de Maduro e o líder opositor Juan Guaidó.

O chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, disse que o governo continuará as negociações em "busca de um acordo".

A presença de Zarif foi um dos focos de atenção, em plena crise pelo navio petroleiro de bandeira britânica retido por Teerã após ser interceptado no estreito de Ormuz, mas o chanceler iraniano não tratou do assunto.

A reunião foi preparatória da cúpula do MNOAL de outubro, em Baku, Azerbaijão, país que receberá a presidência rotativa do bloco das mãos da Venezuela.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade