Publicidade

Estado de Minas

Pastor acusado de abuso sexual diz que ''sugava'' demônios dos fiéis

Reverendo William Weaver teria praticado sexo oral com homens que o procuraram pedindo aconselhamento privado religioso


postado em 19/07/2019 08:16 / atualizado em 19/07/2019 09:03

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)

Um ministro presbiteriano é acusado de agredir sexualmente vários paroquianos sob o disfarce de exorcizar espíritos malignos.

A informação foi divulgada pela revista norte-americana Newsweek.

Segundo a revista, três homens registraram a denúncia no Presbitério de Elizabeth, cidade com mais de 120 mil habitantes no estado de Nova Jersey, nos Estados Unidos.

Eles alegaram que o reverendo William Weaver praticou atos sexuais quando eles o procuraram para aconselhamento religioso privado na Igreja presbiteriana Linden.

Segundo um dos denunciantes, o pastor, de 69 anos, dizia que precisava "sugar" os demônios através do sêmen e então praticava sexo oral neles. Para justificar o ato, o pastor citava um verso bíblico da Epístola aos Efésios dizendo aos cristãos que "usassem a armadura completa de Deus".

Ainda segundo a denúncia, o ato começava com o pastor ordenando que os fiéis se despissem e deitassem; em seguida, ele colocava uma "moeda sagrada" nas testas deles e então os estimulava sexualmente com a boca. Uma das vítimas conta que, depois de ser abusado pelo pastor, ouviu dele que "Você não precisa mais ter medo, eu sou seu protetor agora". E aí recebeu um beijo na boca.

Segundo a Newsweek, uma investigação do Presbitério encontrou evidências de "atos de idolatria e má conduta sexual", além de encontrar pornografia gay em um computador no escritório do pastor Weaver.

O pastor, que trabalhou na Igreja Lynden por 39 anos, renunciou ao Presbitério na véspera do início de um julgamento marcado pela igreja para 25 de janeiro.

Os denunciantes então entraram com uma ação na Corte superior do Condado de Middlesex contra Weaver, a Igreja Presbiteriana Linden, o Presbitério de Elizabeth e a Igreja Presbiteriana nos Estados Unidos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade