Publicidade

Estado de Minas

Netflix elimina cena de suicídio de '13 Reasons Why'


postado em 16/07/2019 21:15

A Netflix eliminou uma cena explícita de suicídio da primeira temporada da série de sucesso "13 Reasons Why", seguindo o conselho de especialistas em saúde mental que consideram que estimulava a prática.

A decisão chega dois anos depois da estreia da série, que conta a história de Hannah Baker, uma estudante de ensino médio que decide se suicidar depois de sofrer assédio na escola.

Enquanto a série foi elogiada por abordar assuntos importantes como o assédio nas escolas e a automutilação, também foi criticada por algumas escolas médicas e psicólogos, que acreditam que pode levar jovens com problemas de saúde mental a se suicidarem.

"Ao mesmo tempo em que nos preparávamos para estrear a terceira temporada neste verão, estivemos atentos ao debate em torno da série", anunciou a Netflix no Twitter na segunda-feira à noite.

Seguindo o conselho de especialistas médicos, como o da doutora Christine Moutier, chefe da Fundação Americana para a Prevenção do Suicídio, a Netflix decidiu junto com o criador, Brian Yorkey, e os produtores editar a cena da primeira temporada em que Hannah tira a própria vida.

Brian Yorkey disse que a cena explícita de suicídio pretendia mostrar "o horror desse ato para garantir que ninguém desejasse imitá-lo".

"Nenhuma cena é mais importante que a vida da série e sua mensagem de que devemos cuidar melhor uns dos outros", disse Yorkey no Twitter.

"Acreditamos que esta edição ajudará a série a ser benéfica ao máximo para a maioria das pessoas, além de mitigar qualquer risco para os espectadores jovens especialmente vulneráveis".

"Ouvimos de muitos jovens que '13 Reasons Why' os animou a iniciar conversas sobre assuntos difíceis como a depressão e o suicídio e a pedir ajuda, em muitos casos pela primeira vez", afirmou a Netflix.

Dois estudos publicados em maio determinaram que a taxa de suicídio entre os jovens americanos havia aumentado significativamente nos meses seguintes à estreia da série.

Um estudo do ano passado que a Netflix encarregou à universidade Northwestern concluiu que a maioria de jovens acreditava que a série os havia ajudado a entender melhor a depressão e a ter mais empatia com as vítimas de assédio.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade