Publicidade

Estado de Minas

Biden tenta defender liderança nas pesquisas após tropeço no debate democrata


postado em 28/06/2019 21:55

Joe Biden, ex-vicepresidente dos Estados Unidos e favorito para a indicação presidencial democrata, se defendeu nesta sexta-feira após ter um péssimo desempenho no primeiro debate de pré-candidatos do partido na quinta-feira, onde foi questionado por votar contra um sistema que promovia a integração racial escolar na década de 1970.

"Eu nunca, nunca me opus" ao sistema de integração, disse Biden nesta sexta-feira durante um discurso em Chicago e diante de um público que contava a presença do histórico líder afroamericano Jesse Jackson.

"Todos sabemos que entre 30 e 60 segundos numa réplica durante um debate de campanha não há como fazer justiça ao compromiso de uma vida", disse Biden.

No segundo dia de debates entre os pré-candidatos democratas à indicação para concorrer à presidência do país em 2020, e perante uma audiência recorde de mais de 18 milhões de espectadores, Biden não teve resposta aos ataques da senadora pela Califórnia e única mulher negra na disputa, Kamala Harris.

Harris criticou Biden por ter trabalhado com parlamentares racistas e lembrou a posição negativa que adotou na década de 1970, quando era senador, em relação a um sistema de transporte que visava terminar com a segregação racial na educação pública.

De Osaka, sede da cúpula do G20, o presidente Donald Trump aproveitou o tropeço de Biden para detonar mais uma vez o pré-candidato democrata.

"Estou no Japão no G-20, representando bem o nosso País, mas ouvi que não foi um bom dia para Joe, o dorminhoco", escreveu Trump nesta sexta-feira no Twitter, acrescentando que Biden estava "esgotado".

- "Meu tempo acabou" -

"Eu não creio que você seja racista ", disse," mas foi doloroso ouvi-lo falar sobre a reputação de dois senadores dos Estados Unidos que construíram sua reputação e carreira na segregação racial", disse Harris.

senadora estava se referindo a um escândalo desencadeado recentemente quando o político septuagenário declarou que havia trabalhado com segregacionistas no Senado anos atrás.

"Isso é uma descrição errônea do meu trabalho", respondeu Biden. "Eu não elogiei os racistas".

O ataque de Harris continuou destacando que Biden, sendo senador, foi contrário na década de 1970 ao fim da segregação racial nas escolas, o que nos Estados Unidos se conhece informalmente como "busing", em alusão aos ônibus que levam crianças de suas casas em bairros de negros para escolas em bairros de brancos.

"Havia uma garotinha na Califórnia que pertencia à segunda geração que ia de ônibus para a escola todos os dias. Essa garotinha era eu", disse Harris, visivelmente comovida.

Biden não teve palavras para responder, e encerrou sua participação ao afirmar: "Meu tempo acabou".

Apesar de fazer uma referência ao tempo que tinha para responder à adversária, as palavras do ex-vice-presidente de forma "viral" no Twitter, onde foram simbolicamente lidas como uma admissão de que sua carreira política chegou ao fim, no meio de um partido que precisa com urgência ser renovado.

- Inclinação à esquerda -

Tanto na quarta como na quinta-feira, os candidatos democratas mais radicais exibiram uma inclinação à esquerda que faz duvidar até mesmo da perspectiva de um centrista como Biden nas primárias.

No debate de quarta-feira, a senadora Elizabeth Warren -terceira nas pesquisas- se consolidou como pré-candidata de primeiro nível com seu discurso anti-Wall Street

Os pré-candidatos da quinta-feira discutiram também sobre "a situação horrível" causada pelo presidente Trump, a "ameaça existencial" da mudança climática, o porte de armas e um sistema de saúde amplo.

Bernie Sanders, o outro septuagenário do debate, se uniu a seu adversário ao afirmar que o presidente é "um mentiroso patológico e um racista que já mentiu para o povo americano "durante sua campanha".

"A saúde pública é um direito humano e não algo para ser explorado ", continuou Sanders, que perdeu em 2016 a pré-candidatura para Hillary Clinton.

- Soluções na imigração -

A crise na fronteira, a detenção de crianças imigrantes em péssimas condições e a foto de um salvadorenho e sua filha afogados no Rio Bravo provocaram pronunciamentos apaixonados na quarta e na quinta sobre as políticas de imigração.

Harris disse que a primeira coisa que faria ao assumir o governo seria devolver aos "dreamers" (jovens imigrantes ilegais criados no país) um status legal e eliminar os centros de detenção para imigrantes.

Biden concordou que era "indigno" que crianças retidas careçam de pasta de dentes, sabonete e roupa limpa nos refúgios para imigrantes.

No debate de quarta-feira, Julián Castro, ex-secretário de Urbanismo de Barack Obama e que aspira ser o primeiro presidente hispânico dos Estados Unidos, disse que seu primeiro ato será descriminalizar a travessia da fronteira e eliminar a política de "tolerância zero" de Trump.

O debate democrata foi apresentado em duas partes, com dez candidatos em cada noite, uma quantidade incomum de pessoas interessadas em chegar à Casa Branca nas próximas eleições.

A segunda parte, na noite de quinta-feira, teve uma audiência recorde com mais de 18 milhões de espectadores, segundo as emissoras NBC, MSNBC e Telemundo.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade