Publicidade

Estado de Minas

Moradores de ilha norueguesa querem viver sem relógios

Os cerca de 300 habitantes passam boa parte dos dias quase em total escuridão ou em plena luz, pois a região fica situada ao norte do Círculo Polar Ártico


postado em 20/06/2019 14:32 / atualizado em 20/06/2019 14:49

(foto: Pixabay/Divulgação )
(foto: Pixabay/Divulgação )
Os moradores da Ilha de Sommar, localizada ao Norte da Noruega, estão pensando em tomar uma atitude que, para muitos, pode ser considerada um tanto quanto drástica: viver sem relógios
 
De acordo com reportagem do jornal 'El País', os cerca de 300 habitantes da ilha passam boa parte dos dias quase em total escuridão ou em plena luz, pois a região fica situada ao norte do Círculo Polar Ártico. Eles vivem com tanta tranquilidade que consideram um 'estorvo' serem regulados pela 'frieza' das horas
 
No fim do mês passado, os cidadãos convocaram uma assembleia para discutir o assunto. Conforme o canal de televisão pública do país, o NRK, o acordo passa pela abolição da rigidez na medição do tempo. 
 
Segundo o 'El País', Sommar, que significa verão, tem nesta época do ano muitas madrugadas ensolaradas. "No meio da noite, isso que as pessoas da cidade poderiam chamar de duas da madrugada, você pode ver crianças jogando futebol, pessoas pintando suas casas ou cortando a grama e adolescentes nadando", disse o propulsor da ideia, Kjell Ove Hveding, de acordo com a CNN
 
"Nosso objetivo é proporcionar o máximo de flexibilidade, 24 horas por dia, sete dias por semana. Se você quiser cortar a grama às quatro da manhã, faça isso", complementa. Porém, alguns moradores da ilha duvidam do sucesso da ideia, porque a ilha está se aproximando da estação do ano com 69 dias de quase plena luz. 
 
"Vai ser um desafio para os hóspedes quanto aos horários de entrada e de saída e os de abertura do bar e do restaurante", diz uma moradora. Um símbolo da anulação dos horários previsto na iniciativa seria que os visitantes pendurassem seus relógios na ponte que separa a ilha do restante do município. O gesto seria uma imitação de outros lugares no mundo onde os turistas deixam cadeados. 
 
Os defensores da 'eliminação do tempo' afirmam que a ideia recebeu aplausos de outros lugares ao norte da Noruega. Ainda assim, ainda é preciso apresentar a iniciativa no Storting, o Parlamento nacional. 
 
No dia 13 deste mês, vários moradores se reuniram com um deputado para entregar assinaturas e conversar sobre as implicações práticas da decisão coletiva. Se a iniciativa vingar, será preciso saber como será aplicada depois do verão. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade