Publicidade

Estado de Minas

Justiça peruana aprova acordo entre MP e Odebrecht


postado em 19/06/2019 20:54

A Justiça do Peru deu sinal verde ao acordo de colaboração premiada firmado entre o Ministério Público e o grupo Odebrecht, centro do mega-escândalo de corrupção que atingiu quatro ex-presidentes peruanos.

"O acordo foi aprovado sem qualquer restrição, conforme os termos expostos pelo Ministério Público. Trata-se da conclusão de um esforço com muitas dificuldades", declarou o promotor anticorrupção Rafael Vela em entrevista coletiva.

A colaboração, firmada em fevereiro, permitirá ao MP obter informações e documentos para as investigações de quatro casos nos quais o grupo brasileiro admitiu ter pago subornos em troca de contratos para obras no Peru, destacou Vela, chefe da equipe que investiga o caso Odebrecht.

As obras em questão são a estrada Interoceânica Sul, na Amazônia, o Metrô de Lima, uma estrada nos arredores da cidade andina de Cuzco e uma autoestrada costeira no porto de Callao, na região de Lima.

"O acordo é o primeiro celebrado com uma pessoa jurídica e constitui a principal ferramenta para que a Odebrecht entregue informação muito relevante", destacou Vela.

O escândalo de subornos e doações ilegais de campanha por parte da Odebrecht atingiu quatro ex-presidentes peruanos: Alan García (1985-1990 e 2006-2011), que se matou em abril antes de ser detido; Alejandro Toledo (2001-2006), Ollanta Humala (2011-2016) e Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018).

Kuczynski permanece em prisão domiciliar desde abril; Toledo fugiu para os Estados Unidos, e Humala e sua esposa, Nadine, cumpriram nove meses de prisão preventiva.

Também cumpre prisão preventiva, desde outubro, a líder opositora Keiko Fujimori.

A Odebrecht declarou à justiça dos Estados Unidos ter pago 29 milhões de dólares em subornos no Peru.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade