Publicidade

Estado de Minas

Legislativo mexicano convoca chanceler para explicações sobre negociações com EUA


postado em 14/06/2019 09:40

A possibilidade de o México se tornar um "país terceiro seguro" para migrantes em busca de refúgio nos Estados Unidos, como exige o presidente americano, Donald Trump, assusta os legisladores mexicanos.

Nesta sexta-feira (14), os congressistas esperam a presença do ministro mexicano das Relações Exteriores, Marcelo Ebrard, na Casa, para prestar esclarecimentos sobre suas negociações com Washington.

Enquanto o governo comemora o fato de, na última sexta-feira, Washington dar uma trégua de 45 dias sobre sua ameaça tarifária à espera de ações do México para impedir o fluxo migratório, no Senado, a oposição e alguns membros da bancada governista levantaram questões.

Ebrard admitiu que, para a Casa Branca, o único arranjo possível é que o México se torne um "país terceiro seguro". Isso significa que os migrantes que chegarem a seu território terão de tramitar em território mexicano seu pedido de asilo, e não nos Estados Unidos.

O chanceler ressaltou que tal acordo pode ser aprovado somente pelo Senado, onde muitos rejeitam essa abordagem do assunto.

"Em poucas palavras, o governo mexicano revelou o alcance desse diálogo. Diz que não pode fazê-lo por razões estratégicas", afirmou na quarta-feira Gustavo Madero, líder do Partido de Ação Nacional (PAN), a segunda força política do país.

Para Madero, como resultado de, segundo ele, uma dupla fraqueza - a da economia mexicana e a do governo -, Ebrard aceitou condições unilaterais e discricionárias. "Isso nos prostra diante dos Estados Unidos", disse ele.

A desinformação é alimentada por Trump, que comentou, em conversa com jornalistas, sobre um suposto "acordo secreto".

"Nós não sabemos em quem acreditar, porque Ebrard não nos dá mais explicações, e Trump não é uma pessoa muito confiável, sendo claro que utiliza o México como parte de sua campanha para a reeleição", disse à AFP o cientista político e historiador José Antonio Crespo.

Trump acusa o México de permitir a passagem de migrantes, principalmente da América Central, que tentam chegar aos Estados Unidos.

Diante da pressão da oposição, um comparecimento de Ebrard foi acordado nesta sexta-feira ante a comissão permanente que reúne deputados e senadores quando o Legislativo está em recesso.

"Sob nenhuma circunstância pode comprometer o Estado mexicano em qualquer assunto internacional, sem a intervenção do Senado", advertiu Damian Zepeda, senador do PAN.

O descontentamento atinge até mesmo alguns do partido Morena, no poder, como Porfirio Muñoz Ledo, líder da Câmara dos Deputados.

"Querem nos transformar em um país enjaulado. Se for aprovada a condição de um país terceiro seguro, isso significa que aqueles que entrarem aqui não poderão sair", reclamou.

Até o momento, o México se comprometeu com a implantação de 6.000 homens da Guarda Nacional na fronteira sul para conter a onda de migrantes.

Para Crespo, o México já é um país terceiro de fato porque recebe, sem apoio econômico, certo número de migrantes enquanto espera por suas audiências de asilo nos Estados Unidos. Agora, esse número deve aumentar.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade