Publicidade

Estado de Minas

Líder da extrema direita na França pode ser julgada por difundir fotos de abusos do EI


postado em 12/06/2019 11:07

A líder da extrema direita francesa, Marine Le Pen, poderá ser julgada por postar no Twitter fotos das atrocidades cometidas pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI) - informou uma fonte judicial nesta quarta-feira (12).

Le Pen compartilhou as imagens em dezembro de 2015, poucas semanas após os ataques cometidos pelo grupo jihadista em Paris que deixaram 130 mortos.

Um juiz de Nanterre, periferia oeste de Paris, ordenou que a líder da Reunião Nacional (RN, ex-Frente Nacional) seja julgada pela acusação de veicular "mensagens violentas que incitam o terrorismo, ou a pornografia, ou denigrem seriamente a dignidade humana" e que poderiam ser vistas por um menor de idade.

Este crime é punível como uma pena máxima de três anos de prisão e multa de 75.000 euros (85.000 dólares).

No ano passado, um juiz de instrução solicitou que Le Pen fosse submetida a exames psiquiátricos no âmbito deste caso.

A advogada de 50 anos denunciou o caso como uma violação do seu direito de liberdade de expressão.

Uma das fotos postadas por Le Pen mostrava o corpo do jornalista americano James Foley, decapitado pelo grupo extremista. Outra imagem mostrava um homem em uniforme laranja atropelado por um tanque, e a terceira, um piloto jordaniano queimado vivo em uma cela.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade