Publicidade

Estado de Minas

'Dependência' europeia de soja transgênica desmata América Latina, diz Greenpeace


postado em 11/06/2019 08:19

Comer ovos e carne de frango ou porco na Europa aumenta o desmatamento no Brasil e Argentina, em consequência da importação maciça de soja transgênica desses países para alimentar animais, denunciou nesta terça-feira (11) o Greenpeace França.

"No Brasil e na Argentina, mais de 95% da soja produzida é geneticamente modificada", indica um informe da ONG, que mostra também que mais da metade da soja que a UE utiliza é importada desses dois países (37% do Brasil, 29% da Argentina, 15% dos Estados Unidos e 19% do resto do mundo).

"O cultivo da soja nesses dois países leva a devastar suas florestas com o objetivo de alimentar os animais, especialmente na Europa", resume à AFP a autora do informe, Cécile Leuba, encarregada de Florestas para o Greenpeace.

No estudo, com o título "Apaixonada por carne, Europa alimenta a crise climática por sua dependência da soja", o Greenpeace indica que 87% desse grão importado para a UE é destinado à alimentação animal.

Do total das necessidades de soja da União Europeia, três quartos são destinados à criação industrial de frangos ou galinhas poedeiras (50%) ou de porcos (24%). As vacas leiteiras consomem 16% da soja importada e os bovinos cuja carne é destinada ao consumo, 7%.

"O que denunciamos é que se utiliza dois pesos e duas medidas na União Europeia. Por um lado, proibi-se os OGM e muitos pesticidas, e por outro se autoriza a importação de soja transgênica cultivada com pesticidas proibidos na Europa", aponta Cécile Leuba.

"E o que queremos mostrar aos europeus é que em seu consumo de carne, ovos ou produtos lácteos se esconde o desmatamento, porque a maioria dos animais de criação têm soja em sua ração alimentar diária", acrescenta.

Segundo o cálculo do Greenpeace, para obter 100 gramas de peito de frango se necessita 109 gramas de soja. Para a mesma quantidade de costela de porco, são requeridas 51 gramas de soja.

A produção de soja no Brasil "mais que quadruplicou nestes últimos 20 anos", diz o informe.

- Reduzir 80% do consumo na Europa -

Se a Amazônia está "relativamente protegida desta expansão" graças à moratória negociada em 2006 entre ONGs, empresas e autoridades brasileiras, o cultivo de soja se desenvolveu nas savanas e florestas do Cerrado, que "perderam metade de sua vegetação original".

A região do 'Gran Chaco', compartilhada entre Argentina, Bolívia e Paraguai, "também sofre uma forte pressão devido à expansão agrícola", aponta o estudo.

Desde 1990, o uso de pesticidas por unidade de superfície "aumentou mais de 170% na Argentina e no Brasil", estima o Greenpeace, e "mais de um terço dos pesticidas permitidos no Brasil não seriam autorizados pela UE", principalmente o carbofurano e paraquat, assim como atrazina e imazethapyr na Argentina.

No entanto, a ONG considera impossível que a UE ou a França deslocalizem culturas não OGM para o velho continente para compensar.

Somente na França, para produzir as 3,5 milhões de toneladas de soja importadas a cada ano (incluindo 2 milhões do Brasil), seriam necessários outros 11.980 km2, ou seja, quase todas as terras agrícolas de Morbihan, Côtes d'Armor e do Finistère somadas.

E para reduzir as emissões de gases do efeito estufa, a ONG defende uma "transformação do sistema agrícola" através da redução do consumo e produção de proteínas animais.

"Na Europa Ocidental, onde o consumo de carne e produtos lácteos é quase o dobro da média global, esse consumo deve ser reduzido em cerca de 80% até 2050", diz o Greenpeace.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade