Publicidade

Estado de Minas

Argelinos voltam às ruas após anulação das eleições presidenciais


postado em 07/06/2019 18:01

Os argelinos voltaram às ruas pela 16ª sexta-feira consecutivo, na primeira grande mobilização desde a anulação da eleição presidencial e após as declarações do presidente interino sobre a vontade de organizar um novo pleito a curto prazo.

Uma grande operação policial no centro da capital Argel não impediu que a multidão chegasse à praça Grande Poste d'Alger, tradicional local de protestos, logo após as orações da tarde.

Entre músicas de protesto e gritos de palavras de ordem, os manifestantes exigiam a saída de Abdelkader Bensalah, o presidente interino, e do general Ahmed Gaid Salah, chefe do Estado Maior que é de fato o homem forte do país desde a renúncia do presidente Abdelaziz Buteflika, em 2 de abril, sob pressão deste inédito movimento de protesto no país.

Também foram registradas mobilizações em várias cidades do país, segundo a imprensa e postagens em redes sociais.

Após a saída do impopular primeiro- ministro Ahmed Ouyahia, e a renúncia de Buteflika após 20 anos no poder, os manifestantes vão às ruas desde o dia 22 de fevereiro ganharam nesta semana mais uma batalha: o Conselho constitucional constatou "a impossibilidade" de realizar no dia 4 de julho as eleições, por falata de candidatos sérios.

Num pronunciamento na TV, Bensalah insistiu na realização de eleições "o mais rápido possível" e pediu ao futuro presidente que venha a ser eleito que realize as reformas exigida.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade