Publicidade

Estado de Minas

Veterano de 97 anos salta de paraquedas para comemorar 75 anos do Dia D


postado em 05/06/2019 19:25

Ele temia que os habitantes da Normandia não tivessem perdoado a destruição provocada pela guerra, mas, 75 anos depois, o veterano americano Tom Rice, de 97 anos, reviveu seu salto de 6 de junho de 1944, e desta vez foi aclamado pela multidão.

"Um belo voo, um bom salto, tudo foi perfeito!", disse o ex-paraquedista da 101ª Divisão Aerotransportada dos Estados Unidos, ao aterrizar em um campo ao norte de Carentan (noroeste da França).

Com um paraquedas com as cores da bandeira americana, Rice fez um salto duplo e foi aplaudido imediatamente após chegar ao chão por uma multidão. Com o capacete da sua antiga divisão, o veterano da Segunda Guerra Mundial saudou o público fazendo o sinal da vitória.

"Me sinto muito bem!" garantiu Rice, entre os aplausos das pessoas que estavam presentes, um dia antes da celebração do 75º aniversário do desembarque, 6 de junho de 1944, de cerca de 150 mil soldados aliados nas praias da Normandia, uma ação que mudou os rumos da guerra.

"Quero voltar lá para cima e pular outra vez!", disse.

Há exatos 75 anos, com apenas 22 anos, embarcou na Inglaterra num avião de transporte militar Douglas C-47 na noite de 5 de junho, antes de ser lançado em plena noite sobre Cotentin, na Normandia, ao lado de outros nove mil homens de sua divisão.

Carregando um equipamento com cerca de 50 kg, na hora de pular acabou ficando preso na fuselagem antes de conseguir se soltar, o que lhe provocou algumas feridas.

O objetivo de sua divisão era conquistar as estradas de Carentan, uma cidade entre as praias de 'Utah' e 'Omaha', onde desembarcariam 100 mil soldados ao amanhecer. Ao lado de seus companheiros de farda, Tom Rice teve que tomar posição na foz de um rio, o que fez com êxito.

- "Destruímos seu país" -

Desde então, o professor de história convertido em paraquedista já fez cerca de 60 saltos, incluindo a celebração do Dia D a cada junho durante seis anos.

"Ele salta por todos aqueles que se sacrificaram durante a Segunda Guerra Mundial, sempre que pode", disse sua esposa Brenda Rice, que o acompanhou neste evento.

Em 1994, saltou na Normandia na celebração do 50º aniversário do Dia D. Mas apesar dos anos, Tom Rice ainda temia ao ressentimento da população francesa.

"O povo de Carentan nunca nos perdoou a destruição da cidade e a morte de seus familiares", escreveu o ex-professor de história, morador da Califórnia, em 2004, em seu livro "Trial by Combat".

"Provocamos muitos danos, morreu muita gente, houve impactos da artilharia, janelas destruídas...", disse o veterano nesta quarta à AFP.

Em 2018, o prefeito de Carentan, Jean-Pierre Lhonneur, o recebeu na Normandia e escreveu para ele garantindo que tudo estava perdoado há muito tempo. "Todos os veteranos dizem isso: 'destruímos o seu país'", explica Jean-Pierre Lhonneur.

"Estão muito surpresos por lhe darmos as boas vindas com os braços abertos", acrescentou.

O ex-militar admitiu que "nunca" pensou que "haveria uma multidão como esta, é incrível", disse. "É mais agradável do que se pode imaginar. Os franceses são muito amáveis conosco e muito carinhosos. Para a maioria deles somos como uma família", completou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade