Publicidade

Estado de Minas

Putin e Kim se encontram em Vladivostok


postado em 25/04/2019 01:26

O presidente russo, Vladimir Putin, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, se encontraram nesta quinta-feira em Vladivostok, para a primeira cúpula entre os dois líderes.

"Obrigado por vir", disse Putin ao apertar a mão de Kim na cidade universitária da ilha de Russki, em Vladivostok, enfeitada com bandeiras russas e norte-coreanas, constatou a AFP.

O encontro entre os dois líderes é a primeira entrevista de Kim com um chefe de Estado desde que esteve no Vietnã, em fevereiro, onde celebrou uma fracassada segunda cúpula com o presidente americano, Donald Trump.

Kim busca o apoio da Rússia para reduzir as sanções impostas a Pyongyang por seu programa nuclear, enquanto Putin quer situar a Rússia como um ator-chave em uma questão de relevância mundial.

Ao entrar no território russo nesta quarta-feira, Kim disse esperar que a esta visita "seja um êxito e que eu possa, nas conversas com o presidente Putin, falar de maneira concreta sobre a solução na península coreana e o desenvolvimento de nossas relações bilaterais".

Segundo Yuri Ushakov, assessor da presidência russa para Relações Internacionais, "a reunião se concentrará na resolução político-diplomática da questão nuclear na península coreana", e a Rússia "tem a intenção de apoiar de todas as formas possíveis as tendências positivas neste âmbito".

Ushakov disse que não estão previstas a divulgação de um comunicado conjunto nem a assinatura de acordos.

Esta é a primeira reunião entre governantes dos dois países desde que Kim Jong Il - pai do atual líder norte-coreano - se reuniu com o então presidente e atual primeiro-ministro Dmitri Medvedev há oito anos.

A Rússia mantém relações amistosas com Pyongyang e fornece ajuda alimentar à Coreia do Norte.

Nesta quarta-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou que os diálogos sobre o programa nuclear norte-coreano iniciados em 2003 com a participação das duas Coreias, China, Japão, Rússia e Estados Unidos, continuam a ser a melhor opção para encontrar soluções. Ainda assim, segundo ele, outras opções merecem ser exploradas.

"Atualmente, não existe nenhum outro mecanismo internacional efetivo", declarou Peskov aos jornalistas. "Por outro lado [...] todos os esforços merecem apoio se realmente perseguirem o objetivo da desnuclearização e resolver os problemas das duas Coreias".

Após um ano de 2018 marcado por uma grande aproximação entre as duas Coreias e de uma primeira e histórica reunião entre Kim Jong Un e Donald Trump, a distensão parece ter desaparecido, sobretudo após o fracasso do encontro em Hanói.

Kim se reuniu quatro vezes com o presidente chinês, Xi Jinping, três vezes com o presidente sul-coreano Moon Jae-in e uma vez com o presidente do Vietnã desde março de 2018.

Os analistas consideram que agora está buscando um apoio internacional maior ante a disputa com Washington.

Moscou defende um diálogo com Pyongyang baseado em um plano definido pela China e a Rússia.

O país já pediu o alívio das sanções internacionais contra a Coreia do Norte, enquanto o governo dos Estados Unidos acusa Moscou de tentar ajudar Pyongyang a evitar algumas medidas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade