Publicidade

Estado de Minas

Austrália reconhece Jerusalém Ocidental como capital de Israel

Jerusalém é reivindicada tanto por israelenses como por palestinos, mas a maioria dos países prefere não instalar suas representações diplomáticas na cidade


postado em 15/12/2018 08:13 / atualizado em 15/12/2018 08:27

(foto: AFP / SAEED KHAN )
(foto: AFP / SAEED KHAN )

A Austrália reconheceu Jerusalém Ocidental como a capital de Israel, anunciou neste sábado o primeiro-ministro Scott Morrison, mas a transferência da embaixada de Tel Aviv só ocorrerá após um acordo de paz com os palestinos.


Morrison também se comprometeu a reconhecer as aspirações de um futuro Estado para os palestinos tendo Jerusalém Oriental como sua capital quando o status desta cidade for estabelecido em um acordo de paz.


"A Austrália reconhece, a partir de agora, Jerusalém Ocidental - onde estão o Knesset (Parlamento) e numerosas instituições governamentais - como capital de Israel", afirmou Morrison em um discurso em Sidney.


"Pretendemos transferir nossa embaixada para Jerusalém Ocidental quando for factível, em apoio ao e após o conclusão de um status final" para esta cidade, informando que as obras no novo local da embaixada já estavam em andamento.


Enquanto isto, a Austrália estabelecerá um escritório encarregado de Defesa e Comércio na parte oeste da Cidade Santa.


"Reafirmando nosso compromisso em uma solução de dois Estados, o governo australiano também está decidido a reconhecer as aspirações do povo palestino para um futuro Estado com capital em Jerusalém Oriental", acrescentou o primeiro-ministro.


Ele precisou ainda que a Austrália não vai mais se abster na ONU sobre resoluções que, segundo ele, "atacam" Israel, como a que exige o não estabelecimento de missões diplomáticas em Jerusalém.


Jerusalém é reivindicada tanto por israelenses como por palestinos, mas a maioria dos países prefere não instalar suas representações diplomáticas na cidade.


O presidente americano, Donald Trump, reconheceu a cidade como capital de Israel em 6 de dezembro de 2017 e em maio de 2018 transferiu a embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém.


A cerimônia coincidiu com um banho de sangue na Faixa de Gaza, palco de violentos confrontos entre palestinos e soldados israelenses ao longo da fronteira. Ao menos 62 palestinos morreram baleados.


Morrison já havia mencionado em outubro, antes de uma eleição crucial para sua estreita maioria, essa mudança de direção na política externa australiana. Mas havia dado um passo atrás após a comoção política provocada na Austrália.


Aclamado na época pelo primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, o anúncio irritou a vizinha Indonésia, que possui a maior população muçulmana do mundo, e causou o congelamento de negociações para um acordo comercial bilateral.


Antecipando o anúncio de sua decisão, Canberra aconselhou cautela aos australianos que viagem à Indonésia.


O primeiro-ministro procura seduzir o eleitorado judeu e cristão conservador e conquistar as boas graças da Casa Branca, enquanto teme um revés eleitoral no ano que vem.


Ao comentar a decisão de Morrison, o embaixador palestino na Austrália, Izzat Abdulhadi, disse à AFP que seu governo pretende incitar os países árabes e muçulmanos a "retirar seus embaixadores" e adotar "medidas de boicote econômico" contra a Austrália.


A ONG Australia Palestine Advocacy Network (APAN) afirmou neste sábado que a decisão do primeiro-ministro Morrison "não serve aos interesses australianos". Ela "mina qualquer possibilidade real de alcançar um acordo futuro e encoraja Israel em suas violações diárias dos direitos dos palestinos", segundo seu presidente, o bispo George Browning.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade