Publicidade

Estado de Minas

Líder opositor do Bahrein é condenado à prisão perpétua


postado em 04/11/2018 08:25

O líder da oposição xiita no Bahrein, xeque Ali Salman, foi condenado neste domingo em segunda instância à prisão perpétua por "inteligência" com o Catar, país do Golfo boicotado por Manama e outros aliados da Arábia Saudita.

O chefe do movimento Al-Wefaq havia sido absolvido em junho pela Alta Corte Criminal do Bahrein, um país governado por uma monarquia sunita. O procurador-geral, no entanto, interpôs recurso.

O julgamento deste domingo ainda pode ser apelado.

Ali Salman havia sido acusado de "inteligência com o Estado do Catar para cometer atos hostis para minar a posição política e econômica do Reino do Bahrein, para derrubar seu regime e expor seus segredos de defesa".

Ele também foi acusado de "ter recebido de um Estado estrangeiro (Catar) dinheiro em troca da transmissão de informações sobre os segredos militares e a situação geral do país".

A condenação acontece após o embargo contra o Catar por quatro países árabes, incluindo o Bahrein, acusando o país do Golfo de apoiar movimentos "terroristas", o que Doha nega, e de se aproximar do Irã.

Preso desde 2014, o líder da oposição atualmente cumpre uma sentença de prisão por "incitamento ao ódio confessional".

O reino do Bahrein, sede da Quinta Frota dos Estados Unidos e aliado próximo de Washington, esmagou violentamente um movimento de protesto xiita exigindo reformas durante a Primavera Árabe.

Centenas de opositores foram presos e alguns foram destituídos de sua nacionalidade.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade