Publicidade

Estado de Minas DESASTRE AÉREO

Caixa-preta de avião de caiu na Indonésia é encontrada

Autoridades descartaram a possibilidade de encontrar sobreviventes


postado em 01/11/2018 11:20 / atualizado em 01/11/2018 11:38

(foto: AFP/DETIKCOM/Pradita UTAMA )
(foto: AFP/DETIKCOM/Pradita UTAMA )

Uma das duas caixas-pretas do avião da companhia aérea indonésia Lion Air que caiu no mar na segunda-feira com 189 pessoas a bordo foi encontrada, declarou nesta quinta-feira o chefe do Comitê Nacional de Segurança no Transporte. "Encontramos uma das caixas-pretas", disse à AFP Soerjanto Tjahjono. "Não sabemos se é o FDR (que registra os parâmetros de voo) ou o CVR (que registra os sons no cockpit)".


O Exército indonésio anunciou na quarta-feira que podem ter localizado os destroços da aeronave, graças a sonares. Para recuperar as duas caixas-pretas da aeronave, mil pessoas foram mobilizadas, incluindo dezenas de mergulhadores, além de helicópteros e barcos.


O Boeing 737 MAX 8 da companhia aérea de baixo custo Lion Air, que entrou em serviço há apenas alguns meses, desapareceu no mar de Java na segunda-feira. Pouco antes, a tripulação solicitou permissão para o controle de tráfego aéreo para retornar a Jacarta, seu ponto de partida. Seu destino era Pangkal Pingang, uma área de trânsito para turistas que desejam aproveitar as praias da vizinha ilha de Belitung.


As autoridades, que descartaram a possibilidade de encontrar sobreviventes, anunciaram que quase 50 sacos mortuários contendo membros humanos foram preenchidos. Os restos mortais estão sendo enviados para o hospital para testes de DNA. Excepcionalmente, o ministro dos Transportes tomou a decisão de ordenar a demissão do pessoal da Lion Air. "Hoje, vamos substituir o diretor técnico da Lion e substituí-lo por outra pessoa, assim como os técnicos que deram luz verde para a decolagem", disse Budi Karya Sumadi.


Reputação de insegurança


Mais tarde, ele explicou que essa decisão liberaria o diretor técnico para que ele pudesse ajudar na investigação. De acordo com a Lion Air, a aeronave foi colocada em serviço em agosto. O piloto e o co-piloto ttotalizavam mais de 11 mil horas de voo e haviam passado recentemente por exames médicos e testes de drogas.


A empresa, que esteve envolvida em vários incidentes, dos quais o mais grave em 2004 com 26 mortos, admitiu que a aeronave havia sofrido um defeito técnico em um voo anterior. A partir daí, surgiram questões sobre a possibilidade de defeitos específicos para este novo modelo de aeronave, incluindo possíveis problemas nas ferramentas de medições de altitude e velocidade.


De qualquer forma, o acidente agrava a insegurança do crescente setor de aviação da Indonésia. Companhias aéreas indonésias já foram banidas dos céus europeu e americano. O arquipélago do Sudeste Asiático, com 17 mil ilhas e ilhotas, é altamente dependente das ligações aéreas e os acidentes são comuns.

A Boeing suspendeu o lançamento do 737 MAX no ano passado, pouco antes de sua primeira entrega comercial, citando um problema no motor. A Boeing e a Agência Federal de Segurança nos Transportes dos Estados Unidos (NTSB) estão participando da investigação.


 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade