Publicidade

Estado de Minas

Telescópio espacial Hubble funciona quase normalmente


postado em 23/10/2018 21:11

O telescópio espacial Hubble voltou a funcionar quase normalmente, depois que uma ferramenta de orientação falhou, obrigando os engenheiros a colocá-lo em modo seguro no início deste mês, informou a Nasa.

Um dos três giroscópios do telescópio ficou avariado em 5 de outubro e o giroscópio de emergência, que esteve desligado durante sete anos e meio, foi ligado mas não estava funcionando normalmente.

O giroscópio é um dispositivo que mede, mantém ou muda a orientação da nave na qual se encontra, neste caso, o telescópio. Este permite ao Hubble se estabilizar e se focar em um objetivo e obter uma imagem muito clara.

O giroscópio substituto, o último que o telescópio dispunha, mostrava uma velocidade de giro muito superior à real, explicou a Nasa.

Em terra, no Centro Goddard da Nasa, os engenheiros desligaram e ligaram novamente o giroscópio e fizeram com que o telescópio realizasse manobras para recalibrar o instrumento, o que parece ter funcionado.

"As velocidades de giro estão normais agora", assinalou a Nasa em um comunicado nesta terça-feira.

Ainda precisam de provas para avaliar o rendimento do giroscópio em diversas condições de observação.

"Uma que tivermos completado esses testes de engenharia, o Hubble deve voltar às suas operações científicas normais", disse a Nasa.

O Hubble possibilitou milhares de descobertas espaciais desde o seu lançamento, em 1990. Tem um comprimento de 13 metros e orbita ao redor da Terra a 547 quilômetros.

Devido ao fato de estar fora da atmosfera terrestre, pode ver muito mais do que os telescópios terrestres.

Sua observação mais distante é a 13,4 bilhões de anos-luz da Terra.

Dois seis giroscópios instalados por astronautas americanos em 2009 durante uma missão de reparação agora restam três. O Hubble pode trabalhar, mas não de forma excelente, com um.

O desenvolvimento do seu sucessor, chamado James Webb, está atrasado há anos e deve ser lançado em março de 2021, segundo o último programa da agência espacial americana.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade