Publicidade

Estado de Minas

Dirigente birmanesa Suu Kyi promete "transparência" na crise por rohingyas


postado em 08/10/2018 11:06

A dirigente birmanesa Aung San Suu Kyi prometeu nesta segunda-feira em Tóquio mais transparência na gestão de seu governo da crise da minoria dos rohingyas, enquanto Mianmar busca atrair investimentos em uma cúpula regional no Japão.

"Eu estou pronta para reconhecer que temos desafios a enfrentar, em particular no que diz respeito a Rakhine e às dificuldades que temos em relação à paz", declarou a dirigente em referência ao estado do oeste de Mianmar, onde viviam integrantes da minoria muçulmana dos rohingyas.

Mais de 700.000 rohingyas fugiram no final de 2017 pela violência dos militares birmaneses e das milícias budistas e se refugiaram em Bangladesh, país vizinho onde vivem desde então em imensos acampamentos improvisados. A ONU se refere a um caso de "genocídio".

"Não ocultamos esse fato de nossos amigos", disse em uma audiência de homens de negócios japoneses, no contexto de uma cúpula para reunir em Tóquio representantes de países do sudeste asiático.

A prêmio Nobel da Paz, que foi ícone da democracia, foi criticada por sua frieza, falta de compaixão e inação diante da repressão contra os muçulmanos rohingyas. Suu Kyi nunca condenou a violência.

"Queremos ser muito abertos e transparentes em relação a nossos amigos", disse. "Se vocês têm preocupações, inquietudes, vamos discutir isso abertamente, por favor", acrescentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade